Abertas as inscrições para os cursos gratuitos da SENASP

A procura para os cursos gratuitos a distância oferecidos pela Secretaria Nacional de Segurança Pública – SENASP, do Ministério da Justiça, foi tão grande que dessa vez diminuiu o tempo de espera entre um ciclo e outro.

Se eu não tivesse lido o post do Alexandre, nem teria percebido que as inscrições para o ciclo 12 do EAD da SENASP já estão abertas e vão até 20 de abril de 2008.

A grande vantagem é que agora os cursos podem ser usados para a obtenção da Bolsa Formação, uma ajuda de até 400 reais para os policiais que ganham menos de 1.400,00 reais/ mês. E são centenas de milhares de PMs nessa lamentável situação no país.

Todos os cursos são pela internet, assim o policial não precisa sair de sua casa ou quartel e pode estudar nas raras horas de folga disponíveis com o computador que ele não tem em casa, porque o salário não dá pra comprar, ou então brigar com os colegas de trabalho para usar os poucos computadores disponíveis na unidade. 

Ironias à parte, os cursos são muito bons e vale a pena se inscrever, acompanhar e tornar-se um profissional de segurança pública melhor. E de graça!

senasp-ead.JPG

Clique na imagem acima para se inscrever

Veja os cursos disponíveis:

Busca e Apreensão
Combate à Lavagem de Dinheiro
Crimes Ambientais
Direitos Humanos
Elaboração de Materiais para Educação à Distância
Emergencista Pré-hospitalar
Formação de Formadores – SENASP
Formação de Formadores da Polícia Federal
Gerenciamento de Crises
Identificação Veicular
Licitações e Contratos
Local de crime: Isolamento e Preservação
Mulher Vítima de Violência Doméstica
Polícia Comunitária
Redação Técnica
Saúde ou Doença: De Qual Lado Você Está?
Segurança Pública sem Homofobia
Sistema de Comando de Incidentes
Sistemas e Gestão em Segurança Pública
Técnicas e Tecnologias Não Letais de Atuação Policial
Tráfico de Seres Humanos
Treinamento IPTV
Uso Progressivo da Força
Violência, Criminalidade e Prevenção

Para se inscrever nos cursos da SENASP/ EAD, clique aqui.

Para visitar o site da SENASP, clique aqui.

Inscrições somente até 20/04/2008.

História da Policia Militar

Um pouco sobre a Polícia Militar no Brasil
 
 
 
 Fonte: Wikipedia 

São denominadas polícias militares no Brasil as forças de segurança pública das unidades federativas que têm por função primordial a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública nos Estados brasileiros e no Distrito Federal (artigo 144 da Constituição Federal de 1988). Subordinam-se, juntamente com as polícias civis, aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios (art. 144 § 6º da Constituição Federal de 1988). São forças auxiliares e reserva do Exército Brasileiro e integram o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social brasileiro. Seus integrantes são denominados militares dos Estados (artigo 42 da CRFB), assim como os membros dos corpos de bombeiros militares. Cada Polícia Militar é comandada por um oficial superior do posto de coronel e é denominado Comandante-Geral.

Já as polícias civis, são forças de segurança pública com estatuto próprio do serviço público civil, dirigidas por delegados de polícia de carreira, as quais incumbe as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, conforme o § 4º, do artigo 144, da mesma Carta constitucional.

Histórico:

As Polícias MILITARES brasileiras têm sua origem nas Forças Policiais criadas durante o período em que o Brasil era Imperio e que foram extintas na chamada Revolução de 64, objetivando estabelecer rígido controle sobre as corporações policiais armadas,o governo militar extinguiu as Guardas Civis e regulamentou as normas fiscalizadoras do Exército sobre as Polícias Militares, inclusive, nomeando oficiais do Exército para comandá-las em todos os Estados. A Corporação mais antiga é a do Estado do Rio de Janeiro, com origens na Guarda Municipal, criada no reinado de D. Pedro I. Guarda Real de Polícia criada em 1809 por Dom João VI, Rei de Portugal. Na época D. João havia transferido sua corte de Lisboa para a cidade do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), em virtude das Guerras Napoleônicas que assolavam na Europa.

A força militar de patrulhamento, genuinamente brasileira e mais antiga, é a do Estado de Minas Gerais, tendo em vista que foi organizada em 1775, de modo regular e, até hoje, ininterrupto, constituída originalmente como Regimento Regular de Cavalaria de Minas, criado na antiga Vila Rica, atual Ouro Preto, pago pelos cofres públicos e responsável pela manutenção da ordem pública ameaçada pela descoberta das riquezas naquele Estado.

Desde a sua criação, as polícias militares encontram-se organizadas em postos (relativos aos oficiais) e graduações (relativas às praças), à semelhança do Exército Brasileiro. Segundo a Constituição Federal de 1988, as polícias militares, por força legal, são forças auxiliares e reservas para a defesa interna do território brasileiro.

DATA DE CRIAÇÃO DAS POLÍCIAS MILITARES

09/06/1775 – PMMG

13/05/1809 – PMDF

13/05/1809 – PMERJ

25/09/1818 – PMPA

17/02/1825 – PMBA

11/06/1825 – PMPE

15/12/1831 – PMESP

03/02/1832 – PMAL

03/02/1832 – PMPB

28/02/1835 – PMSE

06/04/1835 – PMES

05/05/1835 – PMSC

24/05/1835 – PMCE

25/06/1835 – PMPI

05/09/1835 – PMMT

17/06/1836 – PMMA

04/11/1836 – PMRN

04/04/1837 – PMAM

18/11/1837 – BMRS

10/08/1854 – PMPR

28/07/1858 – PMGO

25/05/1916 – PMAC

21/09/1943 – PMAP

11/02/1944 – PMRO

21/11/1944 – PMRR

11/10/1977 – PMMS

01/01/1989 – PMTO

Áreas de Atuação:

Eis algumas modalidades de policiamento exercidas pelas polícias militares:

* motorizado;
* montado (à cavalo, búfalo, etc);
* com cães;
* de trânsito;
* motocicletas;
* rodoviário;
* ferroviário;
* de choque;
* de guarda;
* escolta;
* custódia;
* ambiental;
* aéreo;
* de bicicleta;
* ostensivo a pé
* lacustre,
* marítimo e outros.

Habitantes por Policial Militar:

A análise da Razão entre População Residente e Número de Oficiais da Polícia Militar por Unidade da Federação mostra que, em 2003, a proporção no número de habitantes por policial militar é bastante variada entre as Unidades da Federação. Os Estados de Roraima, do Amapá, do Acre, de Rondônia, do Rio Grande do Norte e do Rio de Janeiro, mais o Distrito Federal, são os locais que apresentam uma menor proporção de população por Policial Militar. Neste sentido, destaca-se o Distrito Federal, onde, para cada policial militar, há 137 habitantes. No caso de São Paulo, Bahia e Rondônia, é importante ressaltar-se que a Polícia Militar deste Estado agrega também os oficiais bombeiros.

No extremo oposto, as Unidades da Federação que aparecem como as que concentram um maior número populacional por policial militar são o Pará, o Maranhão, o Piauí, o Ceará, o Mato Grosso do Sul, o Paraná e o Rio Grande do Sul. O Maranhão é o Estado onde apresenta-se a maior desproporção, sendo 822 habitantes para cada policial militar.

A idéia da Guarda Nacional:

Segundo alguns pesquisadores, sob aspectos de eficiência, eficácia e efetividade, as atuais Polícias Militares poderiam ser repensadas. Poderiam ser agrupadas em uma instituição maior e mais abrangente, dentro da concepção de uma Guarda Nacional, a exemplo das Guardas Nacionais do Chile, Espanha, Alemanha, Portugal, Argentina, Colômbia.

A necessidade residiria no fato de que suas ações são desenvolvidas apenas localmente, ou, no máximo, regionalmente, havendo uma perda do sentido de segurança em caráter nacional, uma vez que os crimes, doravante praticados em uma área, direta ou indiretamente, têm ligações com organizações ou facções de outros estados (em redes intercorrelacionadas nacionalmente, ou até mesmo transnacionalmente).

Havendo somente um “pensar local”, deixa de haver um “pensar nacional”, com conseqüentes perdas informativas e de gerenciamento de missões, apesar da existência do Serviço Nacional de Informações, coordenado pela ABIN.