MJ abre inscrições para os cursos gratuitos a distância

Brasília 17/06/08 (MJ) – Estão abertas – até 30.06 – as inscrições para o 13º ciclo de cursos gratuitos de educação a distância (EAD), promovidos pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), do Ministério da Justiça. As aulas terão início em 21 de julho – com término em 8 de setembro – e duração de 40 ou 60 horas.
 
Os cursos são para Policiais federais, rodoviários federais, civis e militares, bombeiros, agentes penitenciários e guardas municipais. Os profissionais com renda inferior a R$ 1,4 mil também poderão solicitar a inclusão no projeto Bolsa Formação – do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) – e receber complemento salarial de até R$ 400.
 
Para este novo ciclo de aulas, a Senasp oferece 30 cursos, sendo três inéditos: Investigação Criminal, Ocorrências com Produtos Perigosos e Representação Facial Humana. A expectativa é de que mais de 100 mil profissionais participem – o 1º ciclo de 2008 teve a participação de mais de 60 mil pessoas e o 2º ciclo, de 87 mil.
 
Segundo a Senasp, a procura pelo EAD aumentou consideravelmente após o lançamento do Bolsa Formação (em março). Para participar do projeto e receber o incentivo financeiro, que varia de R$ 180 a R$ 400, os profissionais precisam participar de cursos de capacitação da Rede de Altos Estudos em Segurança Pública (Renaesp), do MJ.
 
A Rede inclui os cursos da EAD, de especialização oferecidos por instituições de ensino superior parceiras do MJ ou os promovidos pelas academias de polícia e secretarias de segurança pública dos estados.
 
Todas as aulas são realizadas pela Internet: www.mj.gov.br/ead

Àqueles que não têm acesso à web podem procurar os telecentros mais próximos instalados nos estados. Mesmo a distância, os alunos contam com a ajuda de tutores que tiram dúvidas, interagem com a turma, estipulam tarefas e avaliam os trabalhos produzidos.

MAIS UMA RODADA DE NEGOCIAÇÃO, E???????????

Foi realizada na terça-feira (24) às 09h00min reunião na Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso, para tratar da recomposição salarial dos Capitães, Tenentes e Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiro Militar.

A reunião contou com a participação do Presidente da Assembléia – Dep. Sérgio Ricardo (PR), Dep. Riva (PP), Dep. Dr. Walace (DEM) e Dep. Vilma (PSB).

Por parte da classe dos militares estavam presentes os Presidentes das Associações: dos Oficiais, dos Cabos e Soldados, dos Sub Tenentes e Sargentos, dos Bombeiros e dos Inativos, além dos presidentes de grêmios recreativos da região de Tangara da Serra, Barra do Garças, Cáceres, Sinop, Várzea Grande, bem como representantes de Juína e Chapada dos Guimarães. A reunião contou ainda com a participação do Cel Campos Filho – Cmt Geral da PMMT, Coronéis Comandantes Regionais da PMMT e do Cel BM Delamonica, representando o Comando Geral do Bombeiro.

A reunião foi aberta pelo Presidente da Assembléia Dep. Sergio Ricardo e foi passada a palavra ao Cel Campos filho, para explicar a proposta do Governo.

O Cel PM Campos Filho descreveu a mensagem 034 e disse que havia sido formado um consenso na classe dos militares para aprovação da proposta do executivo, em seguida a palavra foi passada ao Cel Sales, que negou o consenso dentro da instituição para a aprovação da mensagem, pois da forma como foi elaborada, não atende a promessa feita pelo Governador Blairo Maggi em 2007, de realizar uma recomposição salarial as praças, na mesma forma e percentual médio dado aos oficiais.

O Cel Sales ressaltou que o governo esta propondo uma recomposição fracionada e ainda incorporando o INPC. Lembrou ainda que em 2007 o Governador se comprometeu também em alterar o percentual de recomposição salarial dado aos Capitães e Tenentes, o que não estava sendo feito na mensagem 034.

A palavra então foi passada ao Sargento PM Esteves, presidente da Associação dos Sub Tenentes e Sargentos que enfatizou que a proposta do executivo era inviável, pois para algumas graduações a exemplo do “Soldado D” está se prevendo, em 2008, uma recomposição de 7,77. Se considerar que a infração do ano foi 5,15% o aumento real do Soldado D para 2008 será na verdade de apenas 2,62%. O Sargento Esteves ainda lembrou que a infração está aumentando mês a mês e que alguns especialistas já estimam uma infração superior ou na casa de 10% em 2009, o que implicará em “ganho zero” de recomposição salarial para as praças.

Nesse momento o Dep. Riva fez uso da palavra alertando para o contra-senso da proposta do Governo no caso de uma infração em 2009 ou 2010 superior a 10%. Nessas condições, a classe dos militares estaduais, corre o risco de não receber sequer as perdas salariais referente à infração dos anos de 2009 e 2010, coisa que já é garantida inclusive em lei.

Falou então o Cabo Fernandes, presidente da Associação de Cabos e Soldados e relembrou o Comandante Geral e o governo da promessa feita em 2007, disse que os militares não querem nada além do que o governo prometeu e em uma única parcela, como foi feita com os Oficiais. O Cabo Fernandes enfatizou a dificuldade de um Soldado em trabalhar com o salário que vem recebendo e pediu ao governador que tenha sensibilidade e cumpra com a sua promessa.

O Soldado Nonato enfocou a insatisfação da categoria com a demora e o não atendimento das reivindicações, alertou para a forma impositiva como está sendo conduzida as negociações por parte do governo. Ele disse ainda que os militares não têm medido esforços para ajudar o Estado e a Sociedade matogrossense e que espera do governo uma atenção na mesma proporção.

A partir daí vários representantes fizeram uso da palavra sempre ressaltando a importância da reunião e do governo olhar com mais atenção às classes que não foram contempladas em 2007.

Ao final da reunião o Dep. Riva solicitou ao Presidente da Assembléia Dep. Sérgio Ricardo que agendasse uma reunião com o Governador Blairo Maggi e sua equipe administrativa, juntamente com os Deputados da Assembléia e um representante de cada Associação e Grêmio para tratar definitivamente da recomposição salarial dos militares.

O Dep. Sérgio Ricardo disse então que iria solicitar uma agenda com o Governador, para ainda esta semana, nas mesmas condições sugeridas pelo Dep. Riva e que comunicaria as Associações para se fazerem presentes.

“ASSOF NOVOS TEMPOS”
Coragem, Honestidade e Transparência.

Esclarecimentos:
As Associações dos militares: ACS, ASSOADE, ASSOF PM/BM-MT, ASMIP e ARBM vêm a público trazer algumas informações, visando esclarecer toda a categoria.

1. A proposta encaminhada pelo governo é a seguinte:
Em 2008 – Escalonamento médio de 8% entre as graduações de Sub Tenente ao Soldado;
Em 2009 – 10%
Em 2010 – 10%
Na proposta do governo para algumas classes, está sendo prevista uma recomposição superior a 10%, entretanto são classes que têm poucos ou quase nenhum militar com o caso do “Soldado A” que tem apenas 63 militares em todo o Estado e está sendo previsto uma recomposição de 25%.
Classes como a do Soldado D e 3º Sargento, está sendo prevista uma recomposição em 2008, inferior a 10%.
Outra aberração é o governo fracionar o aumento prometido em 2007 em três parcelas.

2. A proposta das Associações pede ao Governo o cumprimento de sua promessa nos seguintes termos:
Em 2008 – 30% + o INPC, que este ano é de 5,15% para todas as praças e o escalonamento de 12,5% para os Capitães e Tenentes.
Em 2009 – INPC;
EM 2010 – INPC.

3. Quanto à pressa na votação, esclarecemos que também temos pressa, entretanto não podemos admitir que o governo amarre a nossa classe numa recomposição injusta e distorcida. Na hipótese dessa proposta do governo ser votada do jeito que está, os militares correm o risco de ao final, não receber efetivamente nenhum ganho salarial e não poder reclamar mais, pois no momento adequado, que é o que estamos vivendo, não o fez.

4. Quanto ao boato do impedimento da recomposição salarial em virtude da questão eleitoral, esclarecemos que as restrições quanto às negociações salariais para este ano, se referem única e exclusivamente aos servidores municipais e não aos estaduais, nosso caso.
Senhores militares, o Governador Blairo Maggi é um homem sério e sensível as causas da sociedade e pela primeira vez, neste ano, irá nos receber. Fiquem tranqüilos que as Associações e Grêmios Recreativos, devidamente constituídos, estão unidos e imbuídos de um único objetivo, melhoria salarial verdadeira para os Senhores e suas famílias.
Dir. de Comunicação Social
Fonte: http://www.assofmt.org.br

Se um PM de Brasilia ver o nosso salario ele não vai acreditar.

Materia copiada do blog da renata.

[Novo salário do DF] Agora um soldado ganha próximo a um Major de SP ou um Ten Cel do Rio

O Tenente Cathalá postou mês passado sobre os novos salários da PMDF descontente por ainda esta defasado em relação ao Detran e a Polícia Civil do Distrito Federal.
Por outro lado se compararmos com a mesma instituição em outros estados percebemos como um soldado em Brasília ganha bem ou como policiais de outros estados ganham mal(muito). Afinal, quanto vale sua vida? Nisso percebemos que um soldado do DF ganha próximo a um major em São Paulo ou um Tenente-Coronel no Rio de Janeiro. Vale ressaltar que em muitas polícias, oficiais superiores recebem gratificação de função bem atraente o que gera acomodação. (Se estou bem, dane-se os outros!) O título deste post foi especulativo, mas não com a intenção de que diminua o salário lá que já esta defasado em relação a outras instituições de Segurança Pública mas apenas para ilustrar o contraste brasileiro da segurança pública. Para que serve mesmo o salário? Polícia Civil de Goiás Aproveitando o gancho, a polícia civil de goiás que possuí o segundo maior salário do país esta novamente em greve, depois de receber um aumento de 110% no ano passado. Ano passado a PM e os bombeiros também receberam um aumento junto com a civil e acredito que até maior do que o pretendido. PORÉM ENTRETANTO TODAVIA…. Alguns colegas da civil já havia reclamado após o aumento, que não estava contente com a equiparação salarial entre a PM e PC, porque equiparou um: Agente de 3º classe com um Soldado = R$ 2. 800 Agente de 2º classe com um 3º SGT = R$ 3.200 Agente de 1º classe com um Subten = R$ 3.800 Pelo que esse meu colega me disse e vi em alguns cartazes, o maior motivo da greve não é pelas más condições de trabalho ou reinvidiação de novos concursos públicos para suprir o quadro. Mas porque antes do aumento no ano passado, o agente ganhava como um tenente. E eles não querem ser comparados a “guardas de rua” ou “garotos de recados da civil” Tabela: Blog da Segurança Pública
E você que é PM do Mato Grosso, ou de outro estado em que o salario não chega nem a metade do salario do PM em Brasilia, continue a sua luta, quem sabe os nossos governantes reconheçam o nosso trabalho e o nosso valor e pelo menos dê melhores condições de trabalho e de aperfeiçoamento, além de ofertar uma oportunidade de termos condições de cursar uma faculdade, para que possamos oferecer um melhor atendimento ao nosso cliente, ou seja, a sociedade matogrossense.

Proposta apresentada pelas associações ao governo.

ASSOCIAÇÃO DE CABOS E SOLDADOS PM E BM
ASSOCIAÇÃO SUB TENENTES, SARGENTOS E OFICIAIS ADMINISTRATIVOS
ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS PM E BM
ASSOCIAÇÃO DOS MILITARES INATIVOS E PENSIONISTAS
ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS MILITARES
ASSOCIAÇÃO DA FAMILIA MILICIANA DE CUIABÁ

Ofício nº 001/ASSOC/2008 Cuiabá (MT), 10 de junho de 2008.

Ao Senhor Blairo Borges Maggi
Governador do Estado de Mato Grosso

Senhor Governador

As Associações representativas dos Policiais Militares do Estado de Mato Grosso após análise da Mensagem nº 034, enviada à Assembléia Legislativa do Estado de Mato no dia 03 de junho de 2008, chegaram a conclusão que ela não contempla o acordo firmado com Vossa Excelência em maio de 2007, nem tão pouco atende as expectativas de ganhos salariais da classe, que a quase 05 (cinco) anos não é atendida.
Em maio de 2007, em reunião realizada em vosso gabinete, inclusive com a sua participação e a de representantes do poder legislativo, fora fechado um acordo de que seria votada a recomposição salarial dos oficiais, desde que ficasse definido também o reajuste das praças. Naquela oportunidade ficou acordado que os Cabos, Soldados, Sub Tenentes e Sargentos, bem como os Tenentes, seriam contemplados em 2008 com uma recomposição salarial na mesma ordem e percentual concedido aos Oficiais Superiores em 2007.
Senhor Governador, como a recomposição salarial concedida aos Oficiais Superiores em 2007 ficou na ordem de 30%, desde de junho daquele ano aguardávamos de Vossa Excelência o envio da recomposição salarial das praças e oficiais (tenentes) à Assembléia Legislativa no percentual e condição que foi concedida aos Oficiais superiores, ou seja, em parcela única.
Ocorre que o envio da mensagem 034 do Poder Executivo à Assembléia Legislativa, além de tardia, ocasionou sentimento de frustração, revolta e indignação na base da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiro Militar, por estar fracionando o percentual acordado em 2007, em parcelas anuais e ainda embutindo direitos já estabelecidos em lei (INPC). Diante disso, sentimo-nos obrigados a cobrar do governo o cumprimento do que foi prometido e acordado em 2007, percentual de 30% e em parcela única, como fora feito com os Oficiais Superiores.
Em anexo encaminhamos proposta de recomposição salarial visando contemplar do Soldado ao Sub Tenente, profissionais que não foram contemplados com nenhuma recomposição em 2007 e do Capitão ao Tenente, profissionais que sofreram uma recomposição salarial aquém do concedido aos Oficiais Superiores, gerando disparidade e discrepância das diferenças salariais entre postos, o que ocasiona diretamente prejuízo a base das instituições.
Encaminhamos ainda pauta de reivindicação com itens de interesse comum às Associações e mais diretamente aos Cabos e Soldados, para o ano de 2008, 2009 e 2010.

Cordialmente,

___________________________________
FERNANDES DOS SANTOS SILVA
ACSPMBM
__________________________________
LUCIANO ESTEVES C. COSTA
ASSOADE
_____________________________
LEOVALDO EMANOEL SALES DA SILVA
ASSOF MT
_____________________________________
VICENTE MIGUEL DA SILVA
ASMIP
_____________________________________
MARCIO MEIRA SANTOS
REPRESENTANTE DOS BOMBEIROS
_______________________________________
JAQUELINE CAMINSKI DE SOUZA
AFAMIRC

TABELA DE RECOMPOSIÇÃO SALARIAL PARA
PRAÇAS, CAPITÃES E TENENTES.

POSTO ———- SUBSIDIO ATUAL ———- NOVO SALARIO ———- PERCENTUAL %
CAPITÃO ———- 6.191,52 ————————– 7.223,44 ———————– 17
1º TEN ————- 4.643,64 ————————— 6.320,51 ———————- 36
2º TEN ————- 4.179,28 ————————— 5.530,45 ———————- 32
ASP —————– 3.134,46 ————————– 4.839,14 ———————– 54
SUB TEN ———- 3.266,74 ————————– 4.465,47 ———————– 30 + INPC
1º SGT ————- 2.980,17 ————————– 4.073,74 ———————– 30 + INPC
2º SGT ————- 2.693,63 ————————– 3.682,06 ———————– 30 + INPC
3º SGT ————- 2.452,91 ————————– 3.353,00 ———————– 30 + INPC
CABO C ———– 2.120,27 ————————– 2.898,30 ———————– 30 + INPC
CABO B ———– 2.005,88 ————————– 2.741,93 ———————– 30 + INPC
CABO A ———– 1.891,27 ————————– 2.585,27 ———————– 30 + INPC
SD D ————— 1.833,95 ————————– 2.506,92 ———————– 30 + INPC
SD C ————— 1.604,71 ————————– 2.193,56 ———————– 30 + INPC
SD B ————— 1.375,46 ————————– 1.880,19 ———————– 30 + INPC
SD A ————— 1.146,22 ————————– 1.566,83 ———————– 30 + INPC
ALUNO SD ——— 687,00 —————————– 939,09 ———————- 30 + INPC

CONSIDERAÇÕES
– A última recomposição salarial concedida as praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiro Militar foi feito em 2003.
– O Salário dos policiais e bombeiros militares de Mato Grosso atualmente é o menor salário da região centro oeste do Brasil, apesar da economia do estado de Mato Grosso ser a segunda economia per capita da região.
– Quando o Governador Blairo Maggi assumiu o Estado, o salário dos policiais e bombeiros militares de Mato Grosso era o 2º da região centro oeste, atualmente é o último.
– A recomposição pleiteada aos Capitães e Tenentes visa corrigir distorções de políticas salariais que praticamente desconsideraram esses profissionais, criando uma verdadeira subclasse dentro da carreira. Atualmente um Capitão possui uma diferença salarial de 25% do subsidio do Major, enquanto o 1º Tenente possui uma diferença também de 25% do subsidio do Capitão.
– A diferença salarial existente entre os postos do oficialato é única no Estado de Mato Grosso, em nenhuma outra carreira ou profissão do Estado, profissionais da mesma qualificação e preparo possuem uma diferenciação salarial tão acentuada.
– A recomposição salarial objetiva a melhoria da auto-estima dos policiais e bombeiros militares, com a correção das distorções salariais existentes entre Policiais Militares e Bombeiros Militares.
– Visa ainda, promover a recomposição salarial verdadeiramente diferenciada.

 

RODADA DE DISCUSSÃO

 
 
 
 
Associações dos militares pedem apoio à Assembléia
 
 
 
Proposta será encaminhada aos demais parlamentares para depois voltar a discutir a reivindicação

JOSÉ LUÍS LARANJA
Secretaria de Comunicação

As associações representativas dos Policiais Militares do Estado de Mato Grosso, após análise da Mensagem 34/08, enviada à Assembléia Legislativa, no dia 3 de junho, chegaram a conclusão que ela não contempla o acordo firmado com o governo em maio de 2007. Na tarde desta terça-feira (10), a categoria esteve reunida com o presidente da Assembléia, deputado Sérgio Ricardo (PR), quando na ocasião entregou o documento das reivindicações.
“Vou encaminhar uma cópia a todos os parlamentares e também aos secretários de governo para poder avaliar”, explicou o deputado.

Conforme dados das associações, o governo propôs anteriormente dividir em três parcelas de 10%, sendo uma neste ano, outra em 2009 e a terceira em 2010, o que foi diretamente recusado pela classe. “Esse montante não atende as expectativas de ganhos salariais da classe, que ha cinco anos não é atendida. Queremos o que é nosso direito, ou seja, os 30% em parcela única mais o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor)”, justificou a presidente da Afamirc, Jaqueline Caminski de Souza.

Para o presidente da Associação dos Oficiais de Mato Grosso, coronel Sales, a recomposição salarial de soldado ao sub-tenente e do capitão ao tenente, está gerando disparidade e discrepância das diferenças salariais entre postos, o que ocasiona diretamente prejuízo à base das instituições.

“Existe discrepância de salários entre os cargos e a diferenciação entre os postos é uniforme. Queremos vencer essa barreira com o apoio de todas as associações”, lembrou Sales.

Ficou acertado entre Assembléia e associações que até a próxima quinta-feira (12) acontecerá outra rodada de negociações com o governo.

Mais informações:
Secretaria de Comunicação da Assembléia Legislativa
Fones: 3901-6310/62983