Carreira unica para os PMs e BMs do Brasil.

Pessoal esse abaixo assinado é pra mudar a carreira das praças Policiais Militares e Bombeiros do Brasil, iniciando a carreira como Soldado e podendo chegar a Coronel, conseqüentemente refletindo na qualidade dos serviços prestados por estes profissionais, já temos alguns deputados interessados em ajudar mas isso depende muito da quantidade de assinaturas que vamos conseguir, por isso repassem o link para seus familiares amigos vizinhos.

Temos nas mãos uma grande chance de conseguir uma carreira mais digna e justa para todos, que só depende da nossa mobilização os seguintes Estados já estão discutindo e até mesmo iniciando o processo de implantação da “Carreira Única” :
Goáis, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rondônia, a cada estado que conseguir esta vitória aumentará o precedente para os demais Estados.

Por isso abaixo tem dois Links um do abaixo assinado para carreira única do Brasil e outro do Estado do Paraná, assine os dois, pois lembrando cada estado que conseguir aumenta as chances dos demais.

Link: http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N13548

Link: http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=pmbmbr

PEC 300 perde para Emenda 29.

Durante a sessão desta quarta (24), no plenário da Câmara dos Deputados, o governo já amargava a derrota provocada pela obstrução dos partidos de oposição ao governo para não votar a Medída Provisória 533/11. Quando todos davam como certo surge o presidente da Câmara, Marco Maia anunciando que se comprometia em buscar acordo para a votação da Emenda 29 no próximo mês. Nesse caso, os partidos da oposição teriam que sair da obstrução e votar a MP 533.
Um a um os partidos, através de suas respectivas lideranças, usaram espaço de pronunciamento de suas siglas para levar mensagens de desconfianças com esse compromisso assumido pelo deputado Marco Maia. O líder do Democratas, deputado ACM Neto, chegou a dizer que o compromisso de Maia era falso relembrando a última vez que tal fato aconteceu ante a iminência de votar a Emenda 29. Mesmo assim, ACM (líder do DEM), Paulo Abi-Ackel (líder da minoria) e Duarte Nogueira (líder do PSDB) cederam, a obstrução veio abaixo e a MP533 pode ser votada.
Na ânsia de na próxima reunião do colégio de líderes poderem definir data para votar a proposta de regulamentação da EC 29 (PLP 306/08) essas lideranças fizeram discursos entusiasmados em prol da irrigação financeira para a saúde mas simplesmente não mencionaram a votação em segundo turno da PEC 300. Ninguém quis incluir em sua fala a PEC 300 como tema para a próxima reunião de líderes (30). Para não registrar palavras levianas, no início da obstrução o deputado ACM Neto fez pronunciamento se referindo à PEC 300 também. Naquele momento, por volta de 19 horas, afirmou que só encerrava a obstrução com a garantia da definição de data para o piso salarial nacional dos bombeiros e policiais.
Os líderes querem discutir na próxima terça uma “agenda do povo” e não uma ”agenda do governo”, frisou o deputado Pauderley Avelino, que pediu apoio à PEC 300. Mas os parlamentares já tem a sua lista de matérias e nesse rol a PEC 300 está fora. Querem votar “o Projeto de Lei 1209/11, do Executivo, que cria o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec); a ampliação das faixas do Supersimples (PLP 87/11); a regulamentação do aviso prévio proporcional (PL 3941/89); as emendas do Senado para o Projeto de Lei 5798/09, que cria o Vale-Cultura; e o PL 6716/09, que muda o Código Brasileiro de Aeronáutica.”
Estão empurrando os bombeiros e policiais para os movimentos clandestinos ao evitarem a qualquer custo o debate do tema PEC 300. No próximo dia 12 de setembro, os trabalhadores da segurança pública estarão em São Paulo. Irão reivindicar apoio aos parlamentares estaduais para a sua causa. Em seguida, prometem parar uma via de grande movimentação.

Como não vêem avanços dentro do parlamento brasileiro partirão para essa seara ao modo do que já vem acontecendo no Rio Grande do Sul, porém mais ostensiva. Se essa é a estratégia mais acertada só o tempo dirá. Mas a responsabilidade pelo prejuízo a ser causado na interdição de uma rodovia dentro de São Paulo será creditada na conta do governo federal que não deixa a PEC 300 ter o seu trâmite finalizado dentro da Câmara.

Capitão Assumção

PM MT aceita proposta do Governo do Estado.

Acordo com o Governo traz alívio para a tropa, que afasta o recurso da greve geral

A Polícia Militar entrou em acordo com o Governo do Estado, em reunião realizada no final da tarde de quarta-feira (24), na Assembleia Legislativa, e decidiu descartar o projeto de greve.

Soldados e cabos da PM e do Corpo de Bombeiros ameaçaram cruzar os braços por 72 horas, caso não houvesse uma negociação salarial com o Executivo estadual.

Segundo o vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, cabo Jeovaldo Rosa Magalhães, pelo acordo, em dezembro, haverá um reajuste de 4% e, no próximo ano, já haverá vinculação dos praças junto aos coronéis, principal reivindicação da categoria.

Antes, a proposta do Estado era de que a vinculação ocorresse apenas em 2014. Hoje, o salário de coronel é vinculado ao do governador.

“As mudanças serão positivas. Já estamos fazendo cálculos com base neste reajuste: os salários de soldado devem chegar a R$ 2.988 na classe A, R$ 2.486 na classe B e R$ 3.237 na classe C”, informou.

Atualmente, um soldado tem um salário de R$ 1,9 mil, chegando a R$ 2,3 mil após 15 anos de trabalho, quando pode ser promovido a cabo. Mudando de patente, a remuneração chega a R$ 2,8 mil.

Apesar da negociação, o vice-presidente da associação reforçou que, no próximo sábado (27), a categoria estará reunida, em assembleia, para que ele e o presidente, cabo PM Gervaldo de Pinho, apresentem a todos os praças o acordo fechado.

“As mudanças representam um ganho real para os cabos, o que significa que, em cima tanto do aumento deste ano, como da vinculação, não haverá deflação e nem inflação”, disse o sindicalista.

Segundo a Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar, o ganho real dos praças, nos últimos quatro anos, foi de 3,4% nos salários. Já o salário dos oficiais, categoria que representa 10% de todo efetivo, teria obtido um aumento de 73%.

No total, o Estado de Mato Grosso possui 4,6 mil cabos, na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros.

Marco Maia anuncia nova pauta para o semestre nesta quarta-feira


     O presidente da Câmara, Marco Maia, disse há pouco que vai se reunir com os líderes nesta quarta-feira para definir uma pauta de votações para o semestre. Ele já tinha anunciado uma proposta de cronograma que voltará a ser discutida amanhã.

“Já tínhamos um acordo para a votação dos destaques da MP 532/11 hoje, e decidi dar um dia a mais para que os líderes possam amadurecer as propostas de pauta para avançar nas votações durante o semestre”, disse Marco Maia.

O texto principal da MP foi aprovado na semana passada, mas os deputados ainda precisam votar destaques apresentados pela oposição, que pretende excluir alguns pontos da reestruturação dos Correios.

Ele descartou, no entanto, a inclusão de temas como a proposta de piso salarial para policiais e bombeiros (PECs 300/08 e 446/09) no cronograma de votações. “O piso está sendo analisado pela Comissão de Segurança Pública”, disse.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Policiais militares – MT, preparam “aquartelamento” por melhores salários.

A Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros entra hoje com pedido, na Justiça Militar, para paralisar as atividades por 72 horas, caso o governo não apresente a proposta de vincular os salários dos praças ao dos coronéis já no ano que vem. Por lei, a categoria não tem direito à greve. Porém, tenta de todas as formas pressionar o governo para avançar nas negociações. Com a vinculação, eles passam a ter aumento de salário paralelamente aos oficiais, que estão vinculados ao governador.

Inicialmente, o Estado propôs fazer a mudança somente em 2014. Mas ontem, presidentes de associações de militares
foram informados que o governo encaminharia mensagem atendendo a reivindicação dos praças para a Assembleia Legislativa até hoje.
O presidente da Associação, cabo Gervaldo de Pinho, disse que a entidade vai aguardar o prazo solicitado, mas caso a promessa não seja cumprida, o pedido de aquartelamento será protocolado. O vice-presidente cabo Jeovaldo Rosa Magalhães alegou que a autorização da Justiça evitaria sanções aos militares, que podem resultar até mesmo na exoneração, como já ocorreu no Estado. Em 2008 e 2009, pelo menos 14 policiais foram expulsos da corporação por participarem de um movimento por reajuste salarial em 2007. Eles foram acusados de murchar os pneus das viaturas e promover o aquartelamento (impedir a saída) dos policiais no batalhão.

As negociações se arrastam, segundo a entidade que defende os interesses dos policiais. O Estado propôs fazer a mudança somente em 2014, mas há informações de que um projeto já estaria sendo enviado à Assembléia Legislativa contemplando os interesses da classe, segundo o cabo Gervaldo de Pinho, que dirigente a entidade.

Nos últimos 4 anos a categoria reclama que teve um ganho real de apenas 3,4% nos salários, o restante foi referente à inflação. Enquanto isso, os oficiais, que representam 10% do efetivo da corporação, teriam acumulado aumento de 73% (ganho real + inflação).  Em assembléia no final de semana, a categoria rejeitou a proposta do Governo de fazer a vinculação com os salários dos coronéis somente em 2014 e, até lá, conceder reajustes anuais, sendo 4% em dezembro deste ano, 8% em 2012 e 10% em 2013.

“Vamos aguardar o prazo solicitado, mas caso a promessa não seja cumprida, o pedido
de aquartelamento será protocolado” – frisou. O pedido na Justiça Militar é para evitar possíveis sanções contra os soldados.

Primeiro “Empate” é um sucesso.

     Às 7h da manhã de hoje, centenas de policiais civis organizados pela Confederação Brasileira dos Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol) e sindicatos filiados pararam as obras do estádio Fonte Nova, em Salvador/BA.

No primeiro “Empate” do ano (movimento que vai paralisar por tempo indeterminado as obras nos estádios das capitais que irão sediar a Copa do Mundo de 2014), os policiais deram um cartão amarelo, fechando os portões que dão acesso à construção e impedindo assim a entrada dos trabalhadores e do maquinário.

“Por mais incrível que pareça tanto os trabalhadores da construção civil quanto a população estão do nosso lado. Os trabalhadores vieram relatar pra nós as condições pífias de trabalho a que estão submetidos, com baixos salários e colocando em risco a própria vida por falta de equipamentos de segurança. E quem passa nos ônibus também manifesta seu apoio ao movimento”, relata o presidente da Cobrapol, Jânio Bosco Gandra, que desde ontem está na capital baiana.

Antes de paralisar as obras, os policiais realizaram uma panfletagem explicando os motivos da paralisação. Uma faixa de quase 15 metros foi estendida ao redor do estádio cobrando do governo federal a votação das Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 300/446 – que tramitam na Câmara dos Deputados na forma da Emenda Aglutinativa nº 2, e cria o Piso Salarial Nacional para os policiais civis, militares e bombeiros.

Para Gandra, as manifestações de apoio da população e dos trabalhadores da obra é uma demonstração de que o cidadão vem sentindo nas ruas o problema da segurança pública. “Não estamos aqui apenas para cobrar o Piso Nacional, mas principalmente para alertar as autoridades quanto à situação precária que vive hoje todos os estabelecimentos e os trabalhadores da segurança pública. O que significa dizer que sem mudanças, o Brasil não está preparado para receber a Copa de 2014. A melhoria da segurança pública passa também pela valorização do policial”, declarou Gandra.

Os policiais ainda não sabem até que horas a obra no estádio Fonte Nova ficará paralisada. Mas de acordo com Gandra, assim como no futebol, o cartão amarelo de hoje serviu apenas como uma advertência. Mas, se o governo nada fizer, o movimento pode dar um cartão vermelho e paralisar as obras por 24 horas ou mais.

Outras capitais que sediarão a Copa do Mundo de 2014 também terão suas obras paralisadas. Além dos campos de futebol, os aeroportos em reforma também devem ser palco do movimento. O novo destino do “Empate” deve ser definido ainda hoje, mas a data e o local não serão divulgados.

O “Empate” foi aprovado pela Diretoria Executiva Nacional da Cobrapol em reunião realizada no dia 8 de agosto. O nome é referência ao movimento comandado por Chico Mendes, em 1980, contra as derrubadas na floresta amazônica. A palavra “empate” no vocabulário amazônico significa impedir.

Saiba mais em breve…

Por Giselle do Valle
Fonte: Imprensa Cobrapol

Presos, um PM e um frentista que aplicavam golpe no Governo do Estado..

Um policial militar e um frentista foram presos em flagrante, em Cuiabá, pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Administração Pública (Defaz), da Polícia Judiciária Civil, nesta terça-feira (23). Ambos são acusados de crime de peculato.

O policial, em parceria com o frentista de um posto de gasolina, localizado na Avenida Miguel Sutil, estava fraudando o abastecimento de veículos do Governo do Estado.

Segundo as informações, o PM fraudou 13 abastecimentos, em conluio com com o frentista, num período de 25 dias.

No ato da prisão em flagrante, o policial militar havia acabado de abastecer 23 litros de álcool e registrado 50 litros de gasolina no cartão de abastecimento. “O frentista convertia a diferença em dinheiro”, explicou o delegado Rogério Atílio Modelli, titular da Delegacia Fazendária.

O posto identificou o problema e procurou a Delegacia Fazendária, que passou a monitorar o abastecimento de álcool, que era registrado no cartão como gasolina ou em quantidade maior do produto colocado no tanque da viatura.

Se o abastecimento era de diesel a quantidade de litros pagos  no cartão era maior a quantidade abastecida. Depois, o frentista retirava do caixa o dinheiro, que era dividido entre ambos, e cobria com o excedente abastecido no cartão.

O delegado informou que as investigações prosseguem e a Delegacia Fazendária estará atenta para possíveis fraudes, uma vez que todos os veículos do Estado são agora abastecidos com cartão nos postos de combustíveis do Estado.

A Corregedoria da Polícia Militar já foi acionada e dois presos estão à disposição da Justiça. Os nomes dos presos não foram divulgados a pedido da vítima.

O que faz uma pessoa ser bem sucedida?

O que faz uma pessoa ser bem sucedida? Vários fatores contribuem para que isso aconteça. Mas existem algumas características que essas pessoas têm em comum. Veja, abaixo, quais são elas:

1 – Todas elas trabalharam duro para chegar lá. Não há dinheiro fácil no mundo. O sucesso exige trabalho duro, e só é alcançado pelos que se dispõem a enfrentar esse trabalho.

2 – Pessoas bem sucedidas são honestas. O sucesso por meios desonestos dura pouco. O vendedor mentiroso e enrolador pode garantir a primeira venda, mas certamente nunca irá criar uma clientela…

3 – Pessoas bem sucedidas são perseverantes. Tentam até conseguir.

4 – Pessoas bem sucedidas são, na maioria das vezes, amigáveis e gostam de pessoas. É isso que permite que tenham facilidade em estabelecer contato e em liderar outros, quando necessário.

5 – Pessoas bem sucedidas gostam de aprender novas coisas. Durante toda a vida. Aprender significa crescer. Curiosidade intelectual é a chave para uma das maiores vantagens na

competição profissional – a informação atualizada. Aprender significa não só adquirir novos conhecimentos profissionais. Significa, também, aprender com os próprios erros.

6 – Pessoas bem sucedidas sempre entregam mais do que prometem. Essa é uma regra de ouro – prometa a menos, entregue a mais. Assim, você não cria expectativas desnecessárias. E, ao entregar o que prometeu, causará uma agradável surpresa ao entregar mais do que prometeu.

7 – Pessoas bem sucedidas procuram soluções quando encontram um problema pela frente. Não perdem tempo se queixando, porque vêem os problemas como oportunidades de se superarem. Assim, as pessoas bem sucedidas são, normalmente, aquelas que acham soluções – enquanto o resto se queixa…

Conhecendo essas características, faça uma pequena avaliação de si mesma. Qual delas é mais importante para você? Qual é a que você considera indispensável? Qual você gostaria de incorporar ao seu comportamento profissional? Que tal escolher uma delas e “trabalhar” no seu desenvolvimento durante o próximo mês? Se você realmente se aplicar, verá que os resultados podem ser muito bons.

Fonte:http://www.femininoplural.com.br/ar/decolar/dica1.html

Inscrições para o 3º Sprint Triathlon da Polícia Militar de Mato Grosso.

 

As inscrições para o 3º Sprint Triathlon da Polícia Militar ‘Tenente Neteslau’ foram prorrogadas e podem ser feitas até a próxima quinta-feira (25.08) pelo site http://www.cbtri.org.br, no link inscrições on line (cursos e competições), na opção provas. O evento será realizado no domingo (28.08), com largada da etapa natação, às 8 horas, no bar Flutuante La Barca, na Ponte Nova, em Várzea Grande.
No link do site da Confederação há a opção de inscrição para quem é policial militar e outra para civis federados e demais militares. Para quem já fez a inscrição, a efetivação será concluída após o pagamento da taxa, cujo valor é de R$ 15,00 para policial militar e R$ 80,00 para civis e demais militares. Esse pagamento também pode ser feito até a quinta-feira (25.08).
A organização do evento salienta que a entrega dos kits de prova aos atletas será feita no próximo sábado (27.08), às 14 horas, no saguão do Quartel do Comando Geral (QCG) da PMMT. E o Congresso Técnico, em que será repassado todo o regulamento da prova, será realizado no mesmo dia, às 15 horas, no auditório do QCG.

Fonte: DANA CAMPOS – Assessoria/PM-MT

Maia afirma que recebeu pressão para violar normas.

Secretário Alexander Maia alega que rigor da lei gerou desgaste ao Estado e entregou o cargo
Secretário Alexander Maia alega que rigor da lei gerou desgaste ao Estado e entregou o cargo

Ao anunciar sua saída da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), na tarde desta segunda-feira (22), o coronel PM Alexander Maia revelou que recebeu “pressões políticas e empresariais” para violar normas ambientais.

Isso, segundo ele, gerou descontentamentos e culminou na entrega do cargo ao governador Silval Barbosa (PMDB), que acatou o pedido de imediato.

A revelação foi feita durante uma entrevista coletiva à imprensa. Porém, nenhum político ou empresário foi citado nominalmente.

“Vivemos em um estado democrático de Direito e não um estado democrático de vontades. A minha preocupação foi sempre de agir dentro daquilo que a legislação prevê. Isso gera descontentamento e desgaste. Se, por ventura, o desgaste ao Governo é provocado por minha presença ou pela forma austera do nosso posicionamento, prefiro sair. Fui leal ao governador Silval Barbosa e coloquei o cargo à disposição”, disse.

Diante da pressão recebida, Maia avaliou que seria melhor sair da Sema.

“Fizemos uma avaliação de que seria oportuna uma reoxigenação. Existe uma tensão política instaurada e não quero criar problemas, ou trazer descontentamento ao governador, que tem todo meu respeito e admiração”, afirmou.

Maia ressaltou que seu perfil administrativo, de colocar rigor nos trabalhos ambientais, provocou uma crise que já ameaçava a unidade em torno da gestão estadual.

“Colocamos para o governador Silval Barbosa que vimos um desgaste político muito forte, em razão dos nossos posicionamentos. Todos baseados na legislação e que não traduzem posições pessoais ou vontade própria. A maior preocupação sempre foi de agir apenas e tão-somente de acordo com a lei”, observou.

O descontentamento de medidas administrativas da Sema aplicadas ao rigor da lei não foi um caso individual, segundo ele.

“Não foi um dos casos onde alguém se sentiu prejudicado, foram vários. à luz da legislação de que rege a política ambiental do Estado, fomos obrigados a dizer não várias vezes e orientar a necessidade de refazer projetos. Toda vez que você precisa dizer não, a outra parte nem sempre se entende que é necessário”, disse Maia.

Sem interferência

A crise de relacionamento da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) com deputados estaduais começou com a criação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), que decidiu investigar a liberação para Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH’s).

Logo depois, parlamentares estenderam a investigação para todas as usinas hidrelétricas de Mato Grosso.

No entanto, Maia não acredita que os trabalhos da CPI tenha influenciado negativamente seu trabalho à frente da Sema.

“Na democracia, está assegurada a criação de CPIs. Fico muito satisfeito que, depois de seis meses, das muitas análises de documentos, não tenho conhecimento de nenhum fato que venha desabonar minha conduta ou da nossa secretaria ou qualquer servidor que aqui esteja. Foram pouquíssimas as PChs liberadas no período que estive aqui. Temos um procedimento seguro”, completou.

À disposição

Maia afirmou ainda que seu desligamento da Sema não significa a saída definitiva dos quadros do Estado. “Posso ser aproveitado em outro setor. Estou à disposição do Estado para trabalhar. Estou aqui para ajudar”, disse.

Fonte: http://www.midianews.com.br/?pg=noticias&cat=1&idnot=60862