Deputados federais aprovam anistia a bombeiros do Rio e de mais 12 estados.

O Plenário aprovou nesta terça-feira o Projeto de Lei 2042/11, do Senado, que concede anistia aos policiais e bombeiros militares do Rio de Janeiro, de outros 12 estados e do Distrito Federal, punidos por participar de movimentos reivindicatórios. A matéria será enviada à sanção presidencial.

A anistia se refere aos crimes tipificados no Código Penal Militar (Decreto-lei 1.001/69) e não os definidos no Código Penal (Decreto-lei 2.848/40).

Para os policiais e bombeiros militares dos estados de Alagoas, de Minas Gerais, do Rio de Janeiro, de Rondônia e de Sergipe, a anistia abrange a participação em movimentos por melhorias de remuneração ocorridos entre 1º de janeiro de 1997 e a data de publicação da futura lei.

No caso do Distrito Federal e dos estados da Bahia, do Ceará, de Mato Grosso, de Pernambuco, do Rio Grande do Norte, de Roraima, de Santa Catarina e do Tocantins, a anistia se refere ao período de 13 de janeiro de 2010 – data de publicação da Lei 12.191/10 – e a data de publicação da futura lei.

Fim da obstrução
O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) prometeu que o partido vai desistir da obstrução às sessões do Congresso Nacional e permitir as votações desta quinta-feira. “Aprovada a proposta, não haverá nenhuma obstrução nas sessões conjuntas”, disse.

Para o deputado Zoinho (PR -RJ), a obstrução do PR foi fundamental para pressionar pela votação da proposta. “O PR conseguiu obstruir as sessões de maneira inteligente para forçar o consenso e permitir a votação dessa causa justa”, opinou.

Para o deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ), a anistia é apenas uma etapa da luta dos bombeiros cariocas por melhores salários. “A anistia encerra um etapa dos bombeiros, mas não encerra a luta por melhores condições de trabalho”, avaliou.

As deputadas Benedita da Silva (PT-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) ressaltaram o acordo feito entre os líderes que permitiu a votação da proposta em poucos minutos. “É com muita satisfação que fizemos essa votação, com a articulação de todos os partidos”, destacou Benedita.

O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) destacou que o seu partido deu “total apoio” à anistia desde o primeiro momento.

Alguns deputados aproveitaram o momento para defender a aprovação do piso nacional de bombeiros e policiais (PECs 300/08 e 446/09) e a melhoria dos salários desses profissionais. “Votaremos certamente a favor dos policiais em relação à PEC 300”, disse o líder do PRB, Vitor Paulo (RJ).

“Em um dos estados mais ricos do País, não pode um policial em início de carreira ganhar R$ 1.000”, criticou Jair Bolsonaro (PP-RJ).

Otavio Leite (PSDB-RJ) destacou que a anistia vai permitir que o debate entre bombeiros e o governo do estado seja mais democrático. “Aqueles bombeiros que se mobilizaram de maneira legítima por conta de uma ausência de diálogo foram levados à radicalização por uma falta de democracia no estado”, disse.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Comissão aprova seguro de vida e contra acidentes para policiais.

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou ontem proposta que obriga o Poder Público a instituir um seguro para a cobertura de acidentes e morte para policiais (civis, federais, rodoviários, ferroviários e militares) e bombeiros.

A determinação vale para todos os entes federativos (União, estados, Distrito Federal e municípios) e beneficia os profissionais que forem vitimados no desempenho de suas funções ou em decorrência delas.

O texto aprovado foi o substitutivo da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aos projetos de lei 5017/05, 5570/05, 6545/06, 6994/06, 1022/07, 7453/06, 1702/07, 4682/09 e 1453/11, que tratam de assuntos semelhantes. A regulamentação da concessão do seguro será feita por lei estadual e distrital e, no caso dos policiais de âmbito federal, pelo regulamento da corporação.

O relator na Comissão de Segurança Pública, deputado Otoniel Lima (PRB-SP), acrescentou ao texto uma emenda para assegurar o pronto atendimento, aos policiais e bombeiros, em hospitais da rede privada mais próximos do local da ocorrência até que seu quadro clínico permita sua remoção a hospitais conveniados.

Tramitação 
A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada ainda pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Rodrigo Bittar
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara de Notícias

CONDOR APRESENTA EM FEIRA DA FAPERJ DUAS NOVAS TECNOLOGIAS NÃO LETAIS: ARMA DE CHOQUE E PISTOLA 9M.

 

A Condor apresentou em recente feira da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), no Museu de Arte Moderna, suas mais novas tecnologias e que em breve estarão no mercado à disposição das forças de segurança: uma arma de choque e uma pistola 9mm que dispara munição de borracha – projetos inéditos no Brasil. Além disso, a empresa começa a produzir, em dois meses, a matéria-prima do gás CS usado em equipamentos como granadas lacrimogêneas. É a nacionalização da produção do ortoclorobenzalmanonitrilo, substância estratégica para a área de segurança pública. Até então, a produção do insumo era exclusividade  de EUA, França e China. O projeto foi desenvolvido com o apoio da Faperj e vai baratear, consideravelmente, os custos de produção.
O estande da Condor foi um dos mais procurados, em função das novidades na área de segurança pública. Afinal, trata-se de uma empresa brasileira que investe em ciência e tecnologia a fim de criar produtos cada vez melhores. Dessa forma, reafirma seu posicionamento de vanguarda na concepção de tecnologias não letais, buscando incansavelmente a excelência em seus serviços – é dona de um portfólio com mais de 150 produtos reconhecidos mundialmente por sua qualidade.
Arma elétrica
Pistola elétrica não é mais tecnologia exclusiva dos americanos. A arma de choque desenvolvida pela Condor é similar à Taser. Com dispositivo de dupla ação, que evita acionamento acidental, ela dispara dois dardos com carga elétrica de 50 mil volts/10 miliamperes capaz de neutralizar sem causar lesão permanente ou morte. A arma é de uso exclusivo de policiais civis e militares, guardas municipais, forças armadas, segurança legislativa e judiciária.
Pistola não letal
A pistola 9 milímetros, que dispara munição de borracha, é ideal para o controle de distúrbios urbanos de toda a ordem e capaz de neutralizar o infrator da lei sem causar lesão permanente ou morte. Assim, as forças de segurança passam a contar com mais uma tecnologia não letal para a manutenção da garantia da lei e da ordem e para o combate da espiral da violência.
Fonte: Site da Condor Tecnologias Não Letais.

Segurança Pública anuncia medidas de prevenção e repressão aos assaltos a bancos e caixas eletrônico.

Trinta e cinco ações de prevenção e repressão aos assaltos às agências bancárias e caixas eletrônicos no Estado foram definidas pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio do Grupo de Trabalho Bancário, e anunciadas nesta terça-feira (20.09) pelo secretário de Segurança Pública, Diógenes Curado Filho.

As medidas estão previstas dentro do Plano de Ações de Prevenção e Repressão Imediata a Roubos a Banco, elaborado pelo Grupo de Trabalho Bancário da Sesp, composto por instituições estaduais e federais, além de instituições sindicais como dos vigilantes e bancários. O Plano foi aprovado nesta terça-feira pelo secretário Diógenes Curado.

Entre as ações definidas no Plano está a criação de um núcleo integrado entre instituições bancárias e policiais para troca de informações sobre segurança bancária; capacitação para policiais, vigilantes e bancários, padronizando condutas nos crimes de roubo a banco; adequação dos locais dos caixas eletrônicos, garantindo a visibilidade e assim a segurança dos usuários do serviço; intensificação da fiscalização nos postos da Polícia Rodoviária Federal, bem como o trabalho policial do Núcleo de Operações Especiais nas rodovias de Mato Grosso, integrando as ações com a Polícia Rodoviária Estadual e ampliação das ações operacionais das Forças Táticas, sendo que essa última medida já é aplicada pela Segurança Pública.

“Algumas medidas já estão sendo adotadas e as demais definidas no Plano de Ações serão aplicadas a médio e longo prazo, integradas com outras instituições tanto estaduais quanto federais, com o envolvimento de outras polícias a nível de Brasil, e serão monitoradas mensalmente pelo Grupo de Trabalho Bancário da Sesp”, enfatizou o secretário Diógenes Curado.

A comunicação prévia à polícia nas instalações de caixas eletrônicos; instruções de medidas preventivas de segurança orientando os usuários; intensificação das ações do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Judiciária Civil no suporte tático às operações de enfrentamento a roubo a banco; e interiorização do trabalho integrado de Inteligência Policial, viabilizando as informações produzidas em atendimento as ações da policia local, são outras medidas propostas.

“Esta última ação já está acontecendo, e a Sesp deve ampliar com a criação dos Centros de Comando e Controle – que além do videomonitoramento eletrônico terá o espaço para atividade de Inteligência Policial – nas cidades polos do Estado, como Sinop, Cáceres, Tangará da Serra, Rondonópolis e Barra do Garças”, explicou Curado, lembrando que o primeiro Centro será inaugurado no município de Cáceres.

Outra medida proposta no Plano é a criação do Procedimento Operacional Padrão (POP) para o combate a roubo a banco nas unidades policiais da capital e interior, além da articulação regionalizada, por meio do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGI-M), com as autoridades e dirigentes das instituições colaboradoras, com foco no planejamento e formação de grupo de estudos e realização de operações articuladas e preventivas aos roubos a banco.

Outra medida do Plano que já aconteceu é a reativação e estruturação do Comando de Ação Rápida(CAR), intensificando o policiamento com motocicletas e potencializando o combate ao roubo a banco. Recentemente a Polícia Militar recebeu 60 novas motos para utilização no policiamento ostensivo, dando maior agilidade ao atendimento das ocorrências.

Além das medidas previstas no Plano, a Sesp já está realizando um forte trabalho com a Inteligência das polícias Civil e Militar em parceria com órgãos como Gaeco e Polícia Federal para prevenção a esse tipo de crime. “Melhoramos a Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Judiciária Civil, designando mais delegados, e já temos visto resultados positivos”, destacou o secretário Diógenes Curado.

Segundo o coordenador do Grupo de Trabalho Bancário, major PM Wankley Rodrigues, algumas ações serão estruturadas pelo grupo, como a capacitação de policiais dos municípios mais distantes nas ações de combate aos crimes de assaltos a bancos em Mato Grosso.

“A ideia é a qualificação para enfrentamento do roubo a banco. Será feito um projeto piloto em Água Boa, treinando os policiais locais e, posteriormente, a intenção é levar a capacitação aos policiais de todas as dez regionais da Polícia Militar, bem como para as regionais da Polícia Civil”, falou Rodrigues.

Fonte. site da PMMT

Polícia Militar de SP terá de usar colete à prova de bala sob a farda . (TOMARA QUE AS DEMAIS POLÍCIAS COPIEM ESTE ÓTIMO EXEMPLO)

Até o fim do ano, todos os policiais militares de São Paulo vão aparecer nas ruas com um visual diferente. Soldados, cabos, sargentos e oficiais vão utilizar os coletes à prova de bala sob a farda. A determinação partiu do comandante da corporação, Álvaro Camilo. Para ele, o policial com o colete exposto sugere uma imagem repressora da PM. A mudança pretende aproximar a população dos policiais, dentro da filosofia de polícia comunitária.
Segundo Camilo, o equipamento sob a roupa causará um impacto menos agressivo às pessoas que passam pela rua. Em junho, 2.500 recrutas formados pela Escola de Soldados de Pirituba, zona oeste, foram os primeiros a receber o equipamento. Na fase de estágio, eles foram para as ruas diariamente com os coletes dentro da camisa. Depois, foram compradas mais 15 mil peças que já fazem parte do dia a dia de outros policiais.
De acordo com corporação, cada colete custa R$ 350, em média. Nessa nova versão, eles são cinza claro. Agora, o tecido dos modelos comprados é mais mole, o que não causa tanto desconforto. O policial que quiser poderá usar o colete diretamente na pele, uma vez que, segundo a PM, é preparado com material antibacteriano. Mesmo assim, alguns policiais têm optado por colocar uma camiseta por baixo.
Quem for flagrado fugindo à nova regra será advertido pelo seu comandante. Cada oficial responsável por batalhões fará uma espécie de check-list antes de mandar o efetivo para a rua.
Carolina Ricardo, coordenadora de gestão local de segurança Pública do Instituto Sou da Paz, diz que a medida é válida, mas acredita que outras atitudes devem ser tomadas para aproximar a população dos PMs.
“É importante a aparência física, mas sozinha não dá conta. É preciso aprimorar, fazendo a PM ajudar o cidadão nas ruas, conhecendo a região onde atua e sendo treinada para se comunicar.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Fonte: Portal IG

“CHOQUE DE ORDEM”: Deputado Wallace visita o Comando Regional II – Várzea Grande/MT

Na manhã desta quarta-feira (21.09) esteve presente no gabinete do Coronel Pery Taborelli, comandante do Comando Regional II – Várzea Grande, o Deputado Estadual Wallace Guimarães para conhecer o Programa de Policiamento Choque de Ordem, que está sendo implantado na área do CR-II, que abrange 07 municipios (Várzea Grande, Rosário Oeste, Jangada, Nobres, Poconé, Nossa Senhora do Livramento e Acorizal).
Fonte: Blog do Comando Regional II

PM-MT: Segurança Pública inaugura Centro de Instrução do Policiamento Montado e inicia Torneio Hípico.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio da Polícia Militar de Mato Grosso, inaugurou nesta sexta-feira (16.09), em Várzea Grande, a sede do Centro de Instrução do Policiamento Montado. A unidade é uma das metas de ampliação da estrutura de segurança para a Copa do Mundo de 2014.

a
O Centro de Instrução do Policiamento Montado está situado numa área de aproximadamente dois hectares, com instalações para o setor administrativo, de veterinária, de ferradoria, alojamento, refeitório, banheiros e 15 baias. Conforme o comandante do regimento, tenente-coronel PM Alberto de Barros Neves, no local serão formados os primeiros policiais militares no processo de policiamento montado. “Aqui serão treinados os nossos policiais e cavalos”, disse.
Ainda, de acordo com o tenente-coronel PM Alberto, o período de formação do policial e do cavalo no regimento de cavalaria pode ser de até dois meses. “Um policial para ser formado no policiamento montado é no mínimo de um mês e meio a dois meses e o cavalo também precisa de dois meses para ser treinado em policiamento montado”, explicou.
Segundo o comandante, o efetivo do policiamento montado previsto para a Copa de 2014 é de 180 policias militares e 90 cavalos. “O policiamento montado é mais um processo que contribui com a Polícia Militar para enfrentar as problemáticas da segurança pública, por ser um meio de atendimento rápido de ocorrência”, ressaltou.
Para o deputado estadual Walter Rabello, que participou da inauguração da sede, o Centro de Instrução do Policiamento Montado é um fortalecimento para a segurança pública. “É um legado muito importante para a segurança pública. O policiamento montado auxilia no trabalho de ronda, no policiamento ostensivo e no trabalho de proteção”, falou.
TORNEIO HÍPICO
Começou nesta sexta-feira (16.09) e segue até o domingo (18.09), a primeira edição do ‘Torneio Hípico Aberto da PM’. O torneio é realizado no Centro Equestre de Várzea Grande, que é parceiro do evento. O centro está localizado na avenida 31 de março, no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande.
Estão participando atletas militares e civis. Segundo o tenente-coronel PM Alberto, a Polícia Militar de São Paulo participa do torneio com 11 policiais militares e oito cavalos. Além de São Paulo, delegações de Distrito Federal e Espírito Santo também estão competindo. A Polícia de Mato Grosso confirmou presença de quatro militares, integrantes da cavalaria.
De acordo com o regulamento, o torneio será dividido em seis categorias, em que serão feitas premiações individualmente ao atleta e ao cavalo, com troféus, medalhas e escarapelas, a cada final de prova. No último dia do evento, será feita a somatória dos pontos. A partir do resultado serão premiados os três primeiros colocados de cada categoria e também as equipes campeãs na classificação geral.
“O torneio hípico é um esporte que é praticado em regimento de cavalaria. É um evento apenas esportivo que vem para contribuir para integrar a Polícia Militar com a comunidade em especial com as unidades que lidam com os cavalos”, explicou o comandante do regimento, tenente-coronel PM Alberto de Barros Neves.
Fonte: Site da PMMT.

Promotor diz que bandido “tem que tomar tiro para morrer” e pede à Justiça arquivamento de processo.

“Bandido que dá tiro para matar tem que tomar tiro para morrer”. Foi com argumentos desse tipo que o 1º promotor de Justiça do 5º Tribunal do Júri, Rogério Leão Zagallo, pediu à Justiça de São Paulo que arquivasse um processo sobre um suposto assalto contra um policial civil que terminou com um suspeito morto. O crime, considerado pelo promotor como ato de “legítima defesa” ocorreu em setembro de 2010. O texto da promotoria é de 24 de março de 2011.

De acordo com o pedido do Ministério Público, o policial civil Marcos Antônio Teixeira Marins foi assaltado enquanto dirigia na rua Antônio Mariane, na altura do número 41, no bairro do Caxingui, em São Paulo, no dia 16 de setembro de 2010. Durante o assalto, ele foi abordado por dois suspeitos, Antônio Rogério Silva Sena e Thiago Pereira de Oliveira, e houve uma troca de tiros. No tiroteio, um dos suspeitos, Sena, morreu.

O caso, como explicou Zagallo em seu texto, foi registrado como homicídio doloso [com intenção de matar], por causa da morte do suspeito. Por causa disso, o promotor pediu ao juiz o arquivamento do caso e afirmou que o policial agiu em legítima defesa.

Na defesa dos seus argumentos, Zagallo disse “lamentar, todavia, que tenha sido apenas um dos rapinantes enviado para o inferno” e deixa um conselho para o policial Marins: “Fica aqui um conselho para Marcos Antônio: melhore sua mira”.
No texto enviado ao juiz, o promotor ainda compara a Polícia Civil com personagens da ficção, como super heróis.

– “Após tal fato, quase toda a Polícia Civil, os Jedis, os Power Rangers, os Brasinhas do Espaço, a Swat, Wolverine, o Exército da Salvação, os Marines, Iron Man, a Nasa, os membros da Liga da Justiça e o Rambo, auxiliados pelo invulgar investigador Esquilo Secreto, se imanaram e realizaram uma operação somente vista em casos envolvendo nossos bravos policiais civis, mas que deveria ser realizada em qualquer caso dos inúmeros vivenciados em São Paulo, com o escopo de prender aquele ousado fujão.

Em seu parecer, Zagallo também emite opinião sobre a morte do suposto assaltante durante o roubo. Segundo ele, o homem foi morto para o bem da sociedade: “Com efeito, a dinâmica dos fatos aqui estudados, leva à conclusão que o presente caderno investigatório somente foi distribuído para este Tribunal do Júri em razão de ter Antônio Rogério da Silva Sena, para fortuna da sociedade, sido morto”.

O promotor também não deixou de lamentar que apenas um suspeito de assaltar o policial foi morto.

– Para identificar e prender o parceiro do falecido (foi tarde…) Antônio, cuja qualificação, como dito, hoje é conhecida, instaurou-se esse inquérito policial.

Sargentos da PM participam de curso de aperfeiçoamento em Cuiabá.

Iniciou nesta sexta-feira (16.09), pela manhã, o Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos da Polícia Militar, com aula inaugural no Salão Nobre “Clóvis Vetoratto”, no Palácio Paiaguás.O curso será ministrado por profissionais do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), e terá trezentas e sessenta horas de aula, sendo cento e dez horas à distância, para trabalhar a parte teórica, e duzentos e cinquenta horas presenciais, para a parte prática.

Segundo o comandante do CFAP e diretor do curso, tenente-coronel Jorge Paredes, cerca de duzentos e oitenta sargentos da Polícia Militar, que ingressaram na PM antes de 2009, serão qualificados para o Procedimento Operacional Padrão (POP). “O curso destina-se a militares de todo o Estado e é fundamental para estabelecermos um sistema de educação técnica profissional continuada para a Polícia Militar de Mato Grosso”.

A aula inaugural foi ministrada pelo coronel Antônio Ribeiro de Morais, gestor do POP-MT e comandante Regional de Tangará da Serra, que falou sobre “Procedimento Operacional Padrão como ferramenta de gestão pela qualidade”. O POP vai “valorizar e qualificar os militares, aperfeiçoando o serviço prestado à comunidade”, destaca o comandante.

O coordenador do Curso, capitão Luis Fernando Dias, informa que as aulas presenciais serão desenvolvidas em módulos quinzenais para não prejudicar o serviço na rua. “O curso terminará na primeira quinzena de dezembro”, salienta.

Estavam presentes à aula inaugural, dentre outras autoridades, o secretário adjunto da Casa Militar, tenente-coronel Clelcimar de Souza, o secretário adjunto de Administração do Estado, José de Jesus Nunes Cordeiro, o sub-chefe do Estado Maior, representando o Comando da PM, Pedro Sidnei Figueiredo de Souza, o corregedor geral da PM, coronel Joelson Geraldo Sampaio, o diretor da Agência Central de Inteligência, coronel Eddie Metelo Siqueira, o comandante Regional de Cuiabá, coronel Zaqueu Barbosa, e o diretor de Ensino, Instrução e Pesquisa da PM, tenente-coronel José Robson Souza de Figueiredo.

Fonte: http://www.pm.mt.gov.br/index.php?view=ver_noticia&id_noticia=11186

Operação da PM MT deve aumentar sensação de segurança da população.

Aumentar o poder de ostensividade e prevenção policial nas áreas com maior incidência de crimes de homicídios, tentativa de homicídios, estupros, roubos a veículos, roubos a residência e estabelecimentos comerciais e saidinhas de bancos nos municípios de Cuiabá e Várzea Grande, bem como proporcionar maior segurança e tranquilidade a população, é o foco da ‘Operação Ponto X’, deflagrada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio dos Comandos Regionais 1 e 2 da Polícia Militar e o Batalhão de Trânsito Urbano e Rodoviário (BPMTran).
Na operação estão empenhados cerca de 500 militares recém ingressados na Polícia Militar por meio do último concurso público realizado pelo Governo do Estado para a Segurança Pública.
A operação teve início no último sábado (10.09). Além dos policiais militares já empregados no serviço normal, o Comando Regional 1 empregou aproximadamente 150 policiais militares; o Comando Regional 2, mais 120 soldados e o Batalhão de Trânsito Urbano mais 10 policiais.
O secretário de Estado de Segurança Pública, Diógenes Curado Filho, explicou que com a nova inclusão inicia o trabalho de caráter mais presencial da Segurança Pública. “Queremos que o policial esteja na rua, sempre em dupla, para garantir a segurança e a proximidade junto ao cidadão para que ele se sinta seguro. Antes fazíamos o trabalho de reação e agora vamos fazer o trabalho de presença policial”, afirmou.
Os locais escolhidos para realizar a operação foram definidos a partir dos levantamentos estatísticos feitos pelos Comandos Regionais 1 e 2 da Polícia Militar, além dos comandos especializados. Em Cuiabá, 20 pontos na região central estão com o policiamento reforçado. Já em Várzea Grande, são 12 os pontos que possuem maior presença policial.
 
O comandante Regional 2 de Várzea Grande, coronel PM Pery Taborelli, acredita que com o reforço na tropa os índices criminais deve reduzir em Várzea Grande. “Aumentaremos a sensação de segurança da população. Queremos combater todos os tipos de crimes que aflige a comunidade”, falou.
Durante 60 dias os novos policiais realizarão o policiamento ostensivo, abordagens e checagens de cidadãos e veículos, ao mesmo tempo montarão barreiras em pontos estratégicos de Cuiabá Várzea Grande para proporcionar maior tranqüilidade a população. Além disso, o Batalhão de Trânsito Urbano e Rodoviário ampliou os locais e as modalidades de fiscalização, fazendo o policiamento ostensivo a pé, motociclistico e motorizado.
Segundo o comandante Regional 1 de Cuiabá, coronel PM Zaqueu Barbosa, a operação acontece na Capital nos locais de maior aglomeração de pessoas e incidência de crimes. “Foi determinado para fazermos o trabalho por até 60 dias porque a partir de novembro entramos no planejamento para a operação de final de ano”, explicou.
De acordo com o comandante geral da PM, coronel PM Osmar Lino Farias, as praças, regiões comerciais e bancárias continuam sendo fiscalizadas. “A operação prossegue durante 60 dias, levando mais sensação de segurança e protegendo a população”, completou.
O comandante Regional 2 de Várzea Grande, coronel PM Pery Taborelli, acredita que com o reforço na tropa os índices criminais deve reduzir em Várzea Grande. “Aumentaremos a sensação de segurança da população. Queremos combater todos os tipos de crimes que aflige a comunidade”, falou.
Durante 60 dias os novos policiais realizarão o policiamento ostensivo, abordagens e checagens de cidadãos e veículos, ao mesmo tempo montarão barreiras em pontos estratégicos de Cuiabá Várzea Grande para proporcionar maior tranqüilidade a população. Além disso, o Batalhão de Trânsito Urbano e Rodoviário ampliou os locais e as modalidades de fiscalização, fazendo o policiamento ostensivo a pé, motociclistico e motorizado.
Segundo o comandante Regional 1 de Cuiabá, coronel PM Zaqueu Barbosa, a operação acontece na Capital nos locais de maior aglomeração de pessoas e incidência de crimes. “Foi determinado para fazermos o trabalho por até 60 dias porque a partir de novembro entramos no planejamento para a operação de final de ano”, explicou.
De acordo com o comandante geral da PM, coronel PM Osmar Lino Farias, as praças, regiões comerciais e bancárias continuam sendo fiscalizadas. “A operação prossegue durante 60 dias, levando mais sensação de segurança e protegendo a população”, completou.
LUZIA ARAÚJO E LIDIANA CUIABANO – Assessoria/Sesp-MT