Corregedoria apura tortura em soldado da PM de MT

policianamira_thumb_medium380_238
Gláucio Nogueira, repórter do GD

 Um soldado da Polícia Militar de Mato Grosso registrou boletim de ocorrência contra 3 oficiais pelos crimes de maus-tratos, tortura, ameaça e constrangimento ilegal. Ele teria ficado trancado por uma hora em uma sala do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cefap), em Cuiabá, e só saiu de lá após ouvir de um dos policiais que ele seria enquadrado por insubordinação. O caso foi registrado nesta terça-feira (7) no momento em que o soldado, lotado no 4º Batalhão, levava marmitas para colegas em curso.

De acordo com o boletim, registrado pelo soldado J.L.S., 23, os ataques começaram após um dos oficiais, identificado como major Guimarães, ter notado que no fardamento do praça faltavam o gorro e a placa de identificação. “Antes que eu pudesse explicar que a situação já havia sido passada ao meu superior imediato, ele começou a gritar”. Guimarães teria dito, “se enquadra, guerreiro! Se na sua unidade não tem disciplina, aqui tem”.

Instantes após a confusão, ao perceber que o soldado portava uma caneta com gravador de som e imagem, segundo ele usada para registrar abordagens no trabalho nas ruas, foi levado por Guimarães para uma sala e novamente ameaçado. Por quase uma hora, o soldado ouviu xingamentos, ameaças e era assediado moralmente. “Diziam que não era para gravá-los”.

Em companhia de outros 2 policiais, qualificados no boletim como capitão Ferraz e tenente Coneza, Guimarães apagou todo o conteúdo armazenado na caneta e teria exigido um pedido de perdão para liberá-lo da sala. A situação foi presenciada por um outro praça, que acompanhava J..

Para o sociólogo e coordenador do Núcleo Internsitucional de Estudos da Violência e Cidadania (Nievci), Naldson Ramos, o soldado foi vítima de um episódio lamentável. “Isso é um sinal claro da existência de um resquício de militarismo, em que a hierarquia e a disciplina estão à frente da dignidade humana, quando o que deveria ocorrer era justamente o contrário”.

Tão grave quanto às ameaças e o assédio, na opinião de Ramos, é o fato de que este comportamento, que ocorre com certa frequência, pode se reproduzir nas ruas. “Ao abordar um suspeito, um policial alvo deste tipo de crime, pode se sentir superior e humilhar o cidadão abordado”.

Outro lado – Por meio da assessoria, a Corregedoria da PM informa que ainda não recebeu a documentação, mas irá analisar e investigar o caso.

Fonte: gazeta digital – mt

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s