NOTA DE FALECIMENTO.

É com grande pesar que comunicamos o falecimento do 1º Sgt PM Anderson Garcez Barros, ocorrido nesta sexta-feira (27/06/2014).

A Assoade esta de luto pelo Associado que foi um exemplo de dedicação ao trabalho e sempre disposto a contribuir para o conhecimento e a melhoria da Associação. Na oportunidade, prestamos nossas condolências e solidariedade aos familiares.

Assessoria da Assoade.

Anúncios

REESTRUTURAÇÃO SALARIAL DOS MILITARES ESTADUAIS DE MT.

1150879_341768345956185_1500644303_n

O Governador Silval Barbosa encaminhou nesta quinta-feira (26.06) a mensagem de lei n°. 046 que reestrutura a carreira e fixa o subsídio dos policiais e bombeiros militares do Estado de Mato Grosso.

Após um trabalho intenso das associações junto aos parlamentares, conseguimos a leitura da mensagem na sessão desta quinta-feira e o compromisso de que na próxima terça-feira (01.07.14) o projeto será apreciado e votado.

Diante dessas considerações, os dirigentes da ASSOF, ASSOADE, ACSPMBM-MT e ASSMIP, convocam todos os integrantes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso, da ativa e reserva para comparecerem ao plenário da Assembleia Legislativa, as 16:30 horas para nos ajudarem na aprovação deste importante projeto de lei.

Segue abaixo, as tabelas salariais constantes do referido projeto de lei.

A CONTAR DE 01 DE OUTUBRO DE 2014

POSTO E GRADUAÇÃO

NIVEL 1

NIVEL 2

NIVEL 3

Coronel

19.692,75

19.742,75

19.792,75

Tenente Coronel

17.218,65

17.268,65

17.318,65

Major

15.053,82

15.103,82

15.153,82

Capitão

12.023,06

12.073,06

12.123,06

1° Tenente

9.598,45

9.648,45

9.698,45

2° Tenente

8.628,60

8.678,60

8,728,60

Aspirante a Oficial

7.125,39

Subtenente

7.025,39

7,075,39

7.125,39

1° Sargento

6.312,85

6.362,85

6.412,85

2° Sargento

5.956,58

6.006,58

6.056,58

3° Sargento

5.244,04

5.294,04

5.344,04

Cabo

4.742,50

4.792,50

4.842,50

Soldado

2.850,16

3.206,43

3.804,83

A CONTAR DE 01 DE MAIO DE 2015*

POSTO E GRADUAÇÃO

NIVEL 1

NIVEL 2

NIVEL 3

Coronel

21.203,92

21.253,92

21.303,92

Tenente Coronel

18.540,93

18.590,93

18.640,93

Major

16.210,82

16.260,82

16.310,82

Capitão

12.948,65

12.998,65

13.048,65

1° Tenente

10.338,92

10.388,92

10.438,92

2° Tenente

9.295,03

9.345,03

9.395,03

Aspirante a Oficial

7.668,47

Subtenente

7.568,47

7.618,47

7.668,47

1° Sargento

6.801,63

6.851,63

6.901,63

2° Sargento

6.418,21

6.468,21

6.518,21

3° Sargento

5.651,36

5.701,36

5.751,36

Cabo

5.258,98

5.308,98

5.358,98

Soldado

3.067,40

3.450,83

4.210,63

* Já está incluso o INPC de maio de 2015. Caso o INPC seja superior a 4,5%, o que exceder será incluso nos valores constantes da tabela de maio e dezembro de 2015.

A CONTAR DE 01 DE DEZEMBRO DE 2015

POSTO E GRADUAÇÃO

NIVEL 1

NIVEL 2

NIVEL 3

Coronel

25.577,64

25.627,64

25.677,64

Tenente Coronel

22.367,94

22.417,94

22.467,94

Major

19.559,44

19.609,44

19.659,44

Capitão

15.627,55

15.677,55

15.727,55

1° Tenente

12.482,04

12.532,04

12.582,04

2° Tenente

11.223,84

11.273,84

11.323,84

Aspirante a Oficial

9.765,25

Subtenente

9.665,25

9.715,25

9.765,25

1° Sargento

8.688,73

8.738,73

8.788,73

2° Sargento

8.200,47

8.250,47

8.300,47

3° Sargento

7.223,95

7.273,95

7.323,95

Cabo

6.678,02

6.728,02

6.778,02

Soldado

3.906,11

4.394,38

5.352,43

Data: 26/06/2014
Fonte: ASSOF, ASSOADE, ACSPMBM-MT e ASSMIP

CARTA DE REPÚDIO

A Associação de Subtenentes, Sargentos, Oficiais Administrativos e Especialistas Ativos e Inativos da PM/BM – ASSOADE, fiel às suas diretrizes e princípios, vem a público emitir carta de repúdio ao Vereador Marcel Menezes Meurer (PMDB) da cidade de Itanhangá-MT, diante de sua conduta desrespeitosa frente à Policial Militar Feminina em serviço no dia 13 de junho de 2014, próximo a Arena Pantanal.

Acredita-se que a Casa de Leis do Município em questão não coaduna com parlamentares que tenham comportamento incompatível com a autoridade e função que ocupam, bem como, tratamento equivocados às outras autoridades, em especial à policial militar que estava em serviço atendendo ocorrência solicitada por populares, onde o pivô era o vereador em possível agressão à sua irmã na cidade de Cuiabá.

Agora, além de ofender e agredir a policial militar em seu trabalho – o que reforça a reprovação de sua atitude, demonstrando sua deseducação e o despreparo parlamentar, ofendeu de igual modo a dignidade da pessoa humana, além de discriminar a policial diante de seu dever constitucional de proteger a sociedade.

A sua atitude desdenhou outros parlamentares de seu município, quando ao tratar uma profissional em seu dever de ofício, denotou tamanha irresponsabilidade, preconceito e discriminação, demonstrando que o respeito, a moral e a ética devem estar subjulgados à impunidade do poder político.

A ASSOADE repudia essa atitude, pois a atuação da policial militar se baseia em ideais de legalidade, do respeito e do dever a cumprir. A Associação está abismada pelo tratamento violento recebido por parte do parlamentar municipal! Nossa indignação pela atitude do vereador. Esta entidade possui princípios éticos como valores centrais, atua-se na busca da construção de uma sociedade pacifica e luta contra o autoritarismo, discriminação, preconceito, etc.

Não podemos aceitar o desrespeito aos nossos associados. Ainda mais no Estado democrático de direito em que vivemos. Deste modo a conjuntura atual necessita dos valores da cidadania, em especial os valores políticos partidários. É preciso dizer não!!! As atitudes agressivas e doentias às mulheres e as mulheres policiais militares.

Assessoria da Assoade.

Aspirante da PM quase cai em golpe e prende falsária.

1601075_615204055230535_948651173_n

Policiais militares prenderam a diarista V.A.G., de 38 anos, acusada de participar de um golpe que vitimou um aspirante a oficial da PM.

O rapaz teve um prejuízo de R$ 1.300, após pagar um celular a pedido de um falsário que se passou por um major PM e ex-comandante de um Batalhão do interior.

O golpe ocorreu no domingo (15) a tarde, quando o aspirante estava de serviço no 3º Batalhão no CPA. A prisão ocorreu, por sua vez, ocorreu horas depois, no pátio de um posto de combustível, na saída para Rondonópolis.

Aos policiais, o aspirante informou que sacou R$ 1.500 da conta dele e entregou para dois supostos vendedores. O golpe, no entanto, foi descoberto quando o falsário disse que iria usar outro celular porque aquele estava com a bateria fraca.

O golpista, então, disse que precisava de mais R$ 1.500 porque um familiar tinha se acidentado na estrada e precisava pagar o guincho. Diante do chamado “golpe do carro quebrado”, o aspirante teve a chance de prender os envolvidos, ao alegar que não podia fazer novo depósito, pois já tinha excedido o valor.

Os dois, então, marcaram um encontro com o dono do guincho na saída para Rondonópolis. Após muita conversa, o falso major da PM designou a vendedora para receber o dinheiro. Ela chegou numa mototáxi e, ao pegar um pacote com dinheiro, foi presa.

Conforme os policiais, o falsário, se passando pelo oficial ligou dizendo que precisava encontrar o vendedor de um celular Iphone 4 da filha dele, pois o produto não tinha sido entregue. No aspirante foi até uma quitinete onde deparou com um casal que confirmou ter vendido o celular, mas o depósito com o valor do pagamento tinha sido bloqueado.

Ele ligou novamente para o suposto major que acabou pedindo para que ele pagasse o celular. “Olha esse pagamento está me trazendo transtornos. Se for possível você pagar eu te reembolso logo”, disse o falsário.

Após sacar o dinheiro de sua conta e pagar o celular, o aspirante ligou para o falsário para saber se ficava com o aparelho. Para sua surpresa, o golpista disse que poderia deixar com o vendedor, pois o pegaria no “momento oportuno”.

“Foi a partir daí que a vítima suspeitou, pois ninguém que tem pressa de ter um celular para dar para a filha, diz para deixar com o vendedor e viria buscar depois. Ele (o aspirante) então foi checar”, explicou um policial.
O aspirante ligou para um amigo que conhecia o major e passou outro celular. Do outro lado da linha, o major verdadeiro lamentava o golpe e acrescentou que já teve seu nome usado várias vezes usado pelo golpista. O verdadeiro major disse que iria enviar um comunicado para todos os Batalhões.

O aspirante, então, ligou para o falsário e combinou pagar em dinheiro os R$ 1.500 para o guincho do carro do parente. Não demorou muito e prenderam a vendedora que negou participar do golpe. Ela relatou que foi chamada para buscar um dinheiro e não sabia o que seria. Ela foi autuada por estelionato.

PM investiga oficial suspeito de participar de contrabando.

1150879_341768345956185_1500644303_n

A Corregedoria da Polícia Militar vai investigar a denúncia do envolvimento de um oficial da corporação com o contrabando de cigarro, em Várzea Grande.

Segundo as informações, o dono da carga teria sido obrigado a pagar R$ 25 mil para alguns policiais, para que a mercadoria fosse liberada.

A Corregedoria quer descobrir quem é o oficial e quem recebeu a propina. A PM alega que chegou a deter dois suspeitos, que teriam apontado quem pegou o dinheiro.

Na madrugada de sexta-feira (13), uma equipe de policiais militares localizou uma carreta estacionada num barracão, ao lado de um caminhão-baú carregado com cigarro, na Rodovia dos Imigrantes.

Os policiais, que foram verificar irregularidades com a carreta, depararam com o proprietário, que mostrou a documentação do veículo.

Os policiais perguntaram sobre a carga e o proprietário da carreta disse que era de cigarro e que seria distribuída a várias pessoas, inclusive, um oficial da PM”.

O comerciante não soube dizer quem é o oficial, supostamente “sócio” do descaminho.

Nesse período, os policiais foram chamados para atender a uma ocorrência no Bairro Formigueiro, onde um carro estava rondando o bairro e haviam várias casas arrombadas.

Os PMs foram até o local, mas não registraram nenhuma irregularidade.

No sábado (14) a tarde, um dos policiais foi levado até o 4º Batalhão, na presença de vários oficiais, para confessar que tinha pego os R$ 25 mil, extorquidos do dono da carga para liberar o cigarro.

O policial negou em depoimento que assinou, mas admitiu que teria omitido alguma informações.

Uma delas é de que ,na sexta-feira de manhã, após terminar o plantão, ficou sabendo que um oficial da PM estava bastante nervoso porque teria sido seguido por um carro e parou num posto de combustível, próximo do barracão onde estava a carreta e havia presenciado um caso de corrupção.

O policial descobriu que um dos oficiais estava numa sala do posto, sozinho e desarmado, num local considerado impróprio.

O oficial havia acautelado a arma pistola ponto 40 com 30 munições no batalhão. “Percebi algo irregular nessa atitude”, disse o policial.

O boletim de ocorrência, registrado na Central de Flagrantes de Várzea Grande, será encaminhado a Corregedoria Geral da Polícia Militar.

Fonte: http://midianews.com.br/conteudo.php?sid=25&cid=200654

Justiça Militar condena tenente-coronel PM a 3 anos de prisão.

1970762_453412504790101_1758905603_n

A Justiça Militar condenou o tenente-coronel PM P.S.C.R. a três anos de prisão pelo crime de concussão, por ter usado a função que exercia para exigir vantagem indevida, em Alto Araguaia (415 km ao Sul de Cuiabá).

Segundo denúncia, o oficial exigiu gratificação de um soldado para mantê-lo na escala de serviços prestados no Fórum da cidade.

O fato aconteceu em 2003 e, na ocasião, o policial teve que repassar ao comandante a ajuda de custo que recebia, no valor R$ 180.

A pena privativa de liberdade estabelecida deverá ser cumprida inicialmente em regime aberto.

Cópias do processo também deverão ser enviadas à Procuradoria Geral de Justiça, para a adoção dos procedimentos relativos à perda do cargo militar.

“A denúncia do Ministério Público foi recebida em setembro de 2006. Consta nos autos, que a vítima ainda tentou explicar que não poderia fazer o repasse da ajuda de custo, pois estava com dificuldade financeira, mas o denunciado continuou a exigir o dinheiro da vítima, sob ameaça de retirá-la da escala do Fórum”, explicou o promotor Vinícius Gahyva Martins, do MPE.

De acordo com a sentença, os quatro juízes militares, integrantes do Conselho Especial de Justiça, votaram pela condenação do tenente-coronel.

Riva propõe eleição direta do comandante da PM e Corpo de Bombeiros.

O deputado estadual José Riva (PSD) apresentou Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê eleição direta para a escolha do comandante-geral da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros Militar (CBM).

De acordo com a proposta apresentada na sessão noturna desta terça-feira (10), os três melhores classificados na eleição da corporação serão encaminhados para a escolha do governador. A proposta já conta com a assinatura de 18 parlamentares.

“É uma forma de fortalecer a PM e o CBM como instituição, mudando as regras de escolha dos comandantes-gerais. Nesta PEC, o comandante-geral será eleito pelo voto obrigatório dos militares da ativa e facultativo aos reformados, em lista tríplice, que será encaminhada ao governador para a escolha, como é feito no Ministério Público Estadual (MPE) e na Defensoria Pública”, explicou.

Riva justifica que em função da escolha promovida pela própria corporação, o comandante-geral terá mais compromisso com a categoria e legitimidade frente à tropa. “Esta é uma forma de aperfeiçoar a gestão e valorizar a categoria no Estado. Vou promover audiência pública, convidar o secretário de Segurança Pública, a PM e o CBM, e a sociedade para debater a PEC”, informou.

O deputado também defendeu a reestruturação da categoria. “É uma categoria que já teve grandes conquistas e neste momento, pleiteiam a reestruturação da carreira e acho muito justo, é uma reivindicação que esta Casa de Leis tem a obrigação de apoiar e conversar com o governador para que seja concretizada. Entendo que outras categorias foram atendidas e a PM também precisa do mesmo benefício”, disse.

Policiais civis querem aumento e ameaçam parar na Copa.

3c2944b31a17da9e5f5afa96c2d7e0ca

Policiais civis ameaçam cruzar os braços a partir desta quinta-feira (12), na abertura da Copa do Mundo.

Nesta quarta-feira (11), a categoria realiza uma assembleia-geral com indicativo de greve. Os civis exigem que o reajuste salarial dado a policiais militares seja estendido também à categoria.

A assembleia, que acontece no sindicato da categoria, o Siajuspoc, a partir das 8 horas, foi marcada após a divulgação da proposta do Governo apresentada aos bombeiros e militares, na qual um soldado que ganha R$ 2.600 terá um reajuste de 50%, chegando a R$ 3.900, no final do próximo ano.

Diante do cofre aberto do Governo, os policiais civis se consideraram “injustiçados” e querem também receber o mesmo benefício. Os policiais alegam que não querem tratamento diferenciado.

Conforme a reportagem apurou, os policiais pretendem votar por greve por período indeterminado e já pode sair da assembleia de hoje “de braços cruzados”.

No contexto da segurança durante o Mundial de Futebol, neste mês, são 1.600 policiais escalados para trabalhos em locais estratégicos e também nas delegacias do interior.

Na terça-feira (10), os militares receberam uma tabela salarial com a recomendação de que não fosse divulgada, para não causar “ciumeira” nas outras categorias.

Tanto bombeiros como policiais militares alegam que não houve reajuste salarial, e sim mudança no coeficiente em relação ao ganho de um coronel, no chamado “efeito cascata”.

Policiais Militares aceitam proposta e descartam greve na Copa.

1184827_191699717674621_228003999_n

Após um mês de conversações e tentativas de acordos com o Governo do Estado, os bombeiros e policiais militares de Mato Grosso aceitaram a última proposta feita pelo Poder Executivo e descartaram entrar em greve durante a Copa do Pantanal.

A decisão é reflexo da reunião de ontem (9) no Palácio Paiaguás.

O encontro entre o governador Silval Barbosa (PMDB), o secretário-chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf, e representantes dos sindicatos da categoria durou o dia todo e definiu pontos a serem discutidos em assembleia geral.

O presidente da Associação dos Oficiais (Assof), major Wanderson Nunes de Siqueira, afirmou que a proposta do Estado garantiu 70% das reivindicações dos militares e uma paralisação, neste momento, não teria sentido.

“Nós conseguimos praticamente 70% do que propomos desde o começo, o que significa, principalmente, uma correção salarial numa faixa de 30%, bem como nossa progressão horizontal em todas as patentes”, explicou.

“Também foi avaliado na assembleia de hoje que não teria lógica parar nesse momento, dada as condições e prazos. Levamos em conta, ainda, a necessidade da sociedade de ter segurança. Uma paralisação agora iria trazer muito transtorno para Capital e interior”, completou.

Na prática, a correção salarial deverá ser feita em três vezes, sendo uma parcela ainda neste ano e duas em 2015.

“Agora vamos levar até o Governo que acatamos e, a partir daí, deve ser avaliada e publicada a lei”, disse Siqueira.

Policiais militares são assaltadas na entrada de casa noturna em Cuiabá

1150879_341768345956185_1500644303_n

Duas sargentos da Polícia Militar foram assaltadas quando desciam de um carro e iriam para uma famosa casa noturna do bairro Morada do Ouro.

As policiais foram rendidas por dois rapazes, sendo um deles armado com uma pistola.

Uma das vítimas foi obrigada a entregar sua carteira com documento, contendo ainda R$ 1.700. Da outra policial, os assaltantes levaram uma bolsa Victor Hugo, que ela havia comprado recentemente.

O assalto ocorreu por volta das 23h30 de sexta-feira (6), quando as duas, em dia de folga, resolver se divertir na casa noturna.

Elas acionaram a PM, que fez rondas pelas proximidades, mas não localizaram os criminosos.

Conforme as policiais, elas acreditam que, por estarem em dia de folga, não foram reconhecidas pelos bandidos, que seriam moradores de algum bairro próximo.

O assalto está sendo investigado pela Delegacia de Roubos e Furtos da Capital, onde o delegado Roberto Amorim vai colocar uma equipe no caso.