A PROBLEMÁTICA DAS ESCALAS E DAS HORAS EXTRAS NA PM/BM.

A PROBLEMÁTICA DAS ESCALAS

10568957_768511253171626_1757078906162239481_n
As associações tem que defender a tropa até o fim.

A Polícia Militar é a única instituição que não tem uma jornada de trabalho definida, provocando muito desgaste físico e mental nos policiais, devido ao desgaste de trabalharem mais de 60 horas semanais.

Este esforço de trabalho é provocado por três fatores, necessidade de policiamento, falta de efetivo e principalmente a falta de uma legislação que regulamente a jornada de trabalho dos policiais.

É ruim para o policial, que trabalha esgotado e desmotivado, e péssimo para a população, que tem a sua disposição um policial sem condições de tomar conta de si mesmo, quem dirá de terceiros. O aumento dos índices de criminalidade está aí provar o resultado disso, o efeito “polícia estática”. O Estado não pode priorizar a visibilidade em detrimento da qualidade do serviço.

Com a sua regulamentação não iremos somente cessar com o desgaste físico e mental provocado pelo excesso de trabalho, iremos cessar com os abusos cometidos através da escala de serviço normal e extra. Tudo isso irá fazer com que o policial trabalhe em plenas condições de prestar um bom serviço de segurança a sociedade.

O governo do estado colocou no site da SAD uma certidão que estipula a carga horária de trabalho do policial e bombeiro militar em 40 horas semanais, então só falta as Associações cobrarem a aplicação e o pagamento de horas extras, quando extrapoladas essa carga horária, ou senão a compensação em forma de dispensas ou folgas.

 

20140731_101954

Estabelecer as 40 horas semanais é um grande avanço para permitir que o policial e o bombeiro tenham condições dignas e humanas de convívio social.

 

 

Jurisprudência. (Apenas uma, mais tem varias)

TJ-SC – Reexame Necessário REEX 20140388880 SC 2014.038888-0 (Acórdão) (TJ-SC)

Data de publicação: 23/07/2014

Ementa: ADMINISTRATIVO – POLICIAL MILITAR – INDENIZAÇÃO DE ESTÍMULO OPERACIONAL – LIMITAÇÃO DO NÚMERO DE HORAS EXTRAS MENSAIS PELOS DECRETOS N. 2.697/04 E 2.815/04 – EXERCÍCIO DO PODER REGULAMENTAR DO EXECUTIVO – ESCALAS DE SERVIÇO QUE O DESRESPEITAM – COMPROVAÇÃO DE TRABALHO EXTRAORDINÁRIO EM NÚMERO SUPERIOR DE HORAS – BLOQUEIO INDEVIDO DO VALOR – OBRIGAÇÃO DE PAGAR PELAS HORAS EXCEDENTES. Comprovado o trabalho além da jornada normal, tem o militar estadual o direito ao pagamento pelas horas extras realizadas, mesmo aquelas que excedem as quarenta (40) horas mensais previstas como limite máximo, em decreto limitador, uma vez que o Estado não pode locupletar-se indevidamente à custa do trabalho alheio sem quebrar o princípio da moralidade. Nas ações condenatórias propostas contra a Fazenda Pública na vigência da Lei n. 11.960/09, os juros de mora e a correção monetária, a partir da citação, serão calculados de modo unificado, pelos índices de remuneração básica e juros da caderneta de poupança. Até então, a correção monetária é calculada pelo INPC desde quando as prestações foram devidas.

 

Leia o artigo da imprensa em uma grande capital: http://extra.globo.com/casos-de-policia/policia-militar-devera-acabar-com-escalas-abusivas-11059718.html#ixzz393B6AHIp

logo40horas

Pesquisa mostra insatisfação dos policiais com o próprio trabalho.

Pesquisa da FGV, com policiais de todo o Brasil, concluiu que a categoria está insatisfeita e quer mudanças nas corporações.

pesquisainsatisfacao

Uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, com policiais de todo o Brasil, concluiu que a categoria está insatisfeita e quer mudanças nas corporações.

A pesquisa sobre segurança pública ouviu 21 mil policiais rodoviários, militares, federais, civis, peritos e bombeiros em todo o país. Quase 40% tem nível superior completo e a maioria têm muitas reclamações: o número insuficiente de policiais, a falta de verba para a compra de armas e equipamentos, a corrupção e a rivalidade entre as diferentes esferas da polícia e os baixos salários são as principais dificuldades apontadas.

Ao todo, 31% dos entrevistados recebem até R$ 3 mil por mês. A relação com o Ministério Público e com o poder judiciário também aparece na pesquisa. Para quase 15% dos entrevistados, a atuação do MP torna mais difícil o trabalho policial. E se a pergunta for com relação à Justiça, este número é ainda maior.

Mais de 40% dos ouvidos acreditam que o policial que mata um criminoso deveria ser premiado e inocentado pela Justiça.

“É um equívoco por parte destes profissionais. O policial, ele recebe um mandato das pessoas. Na verdade o mandato das pessoas, aquilo que realemente para o que ele foi formado, e este mandato lhe dá o direito a usar a força de acordo com a lei. Qualquer coisa que extrapole isso significa crime”, aponta Paulo Storani, especialista em segurança.

No caso da morte de suspeitos mais de 80% acham que os envolvidos devem ser investigados e julgados. Apesar das dificuldades, metade dos entrevistados planeja se aposentar na corporação.

Mas a insatisfação é alta. E 38% disseram que não escolheriam essa profissão novamente. A pesquisa também revelou que a maior parte dos entrevistados já foi discriminada por ser policial ou profissional da área de segurança. Para os especialistas, é um sinal da falta de confiança da população no trabalho da polícia.

“Quando você tem uma polícia desmotivada, tem uma polícia que corre riscos desnecessários, a qualidade do trabalho acaba sendo prejudicada. Faz com que a população não se sinta confiante em relação ao trabalho do Estado. E sem confiança, o que acontece? A gente aumenta a sensação de medo e insegurança”, diz Renato Sérgio de Lima, da Fundação Getúlio Vargas.

Quase todos os policiais querem mudanças e concordam que é preciso modernizar os regimentos e códigos disciplinares das corporações.

“A mudança se faz necessária, é muito mais ampla do que apenas você mexer com salário, ou seja, pensar só mais efetivo, mais pessoas, mais armas e mais viaturas. A questão é bem mais complexa do que isso”, comenta Renato.

Em nota, o Ministério da Justiça declarou que investe em capacitação e aparelhamento na área de segurança pública. E afirmou que a questão salarial é da competência dos governos estaduais.

 

Veja o vídeo da reportagem clik aqui:

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2014/07/pesquisa-mostra-insatisfacao-dos-policiais-com-o-proprio-trabalho.html

Pesquisa diz que 77,2% dos policiais são a favor da desmilitarização da PM.

1970762_453412504790101_1758905603_n

Uma pesquisa feita com policiais de todo o país, lançada nesta quarta-feira (30) em São Paulo, revelou que a maioria diz ser a favor da desmilitarização da PM. Ainda segundo o estudo, um terço dos policiais brasileiros pensa em sair da corporação na qual trabalham.

O estudo foi realizado com 21.101 policiais militares, civis, federais, rodoviários federais, bombeiros e peritos criminais de todos os Estados. Os profissionais foram ouvidos entre os dias 30 de junho e 18 de julho.

A pesquisa “Opinião dos Policiais Brasileiros sobre Reformas e Modernização da Segurança Pública” foi promovida pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, pelo Centro de Pesquisas Jurídicas Aplicadas da Fundação Getúlio Vargas e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública.

Perguntados sobre a hierarquia policial, 77,2% dos entrevistados disseram não concordar que as polícias militares e os corpos de bombeiros militares sejam subordinados ao Exército, como forças auxiliares, demonstrando que são a favor da desmilitarização da PM.

“Se considerarmos apenas os policiais militares, 76,1% defendem o fim do vínculo com o Exército. O que é um sinal claro de que o Brasil precisa avançar na agenda da desmilitarização e reforma das forças de segurança”, afirma Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Conselho de Administração do fórum e pesquisador da FGV.

De acordo com a pesquisa, 53,4% discordam que os policiais militares sejam julgados pela Justiça Militar. Para 80,1% dos policiais, há muito rigor em questões internas e pouco rigor em assuntos que afetam a segurança pública.

Divulgado resultado de concurso para o Bombeiros/MT.

Viatura_bombeiros_abts01

A Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (Funcab) divulgou o resultado preliminar do concurso público para Bombeiro Militar de Mato Grosso. Os candidatos poderão interpor Recurso contra o resultado final preliminar, a partir das 8h do dia 29/07/2014 às 23h59 do dia 30/07/2014, considerando-se o horário do estado de Mato Grosso.

São 300 vagas para Soldado do Corpo de Bombeiros Militar,com remuneração de R$ 2.366, 79. O requisito básico é o Certificado de conclusão do Nível Médio (antigo segundo grau), devidamente registrado, fornecido por instituição reconhecida pelo MEC ou pelas secretarias estaduais de Educação, acompanhado de histórico escolar. Não haverá reserva de vagas para Pessoas com Deficiência (PcD), tendo em vista a natureza dos cargos.

Os Soldado do Corpo de Bombeiro Militar serão lotados nos municípios de Alta Floresta, Barra do Garças, Campo Verde, Colíder, Cuiabá e Várzea Grande, Jaciara, Juína, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste, Rondonópolis, Sinop, Sorriso e Tangará da Serra.

Para o candidato saber o resultado e interpor recurso é só acessar www.funcab.org.

Justiça condena ex-sargento PM que vendeu objetos da mãe para trocar por droga.

O ex-sargento da Polícia Militar, Eldo Barbosa,44, foi condenado pela Justiça a prestar serviços comunitários durante 1 hora a cada dia de condenação até cumprir a pena em 1 ano e 7 meses de prisão que fora convertida na prestação de serviços à comunidade, em Barra do Garças (509 Km a leste de Cuiabá). A punição foi aplicada em função de ele ter vendido os bens de sua mãe R. A. B, 83, enquanto residia na casa dela para trocar por drogas. Foi o envolvimento dele com as drogas que motivou sua expulsão dos quadros da Polícia Militar. A decisão é do juiz Wagner Plaza Machado Junior, da 2ª Vara Criminal do município.

A ação foi movida contra o acusado pelo Ministério Público que sustentou que o ex-policial infringiu as normas legais descritas no artigo 102 do Estatuto do Idoso. O artigo citado diz que “apropriar-se de ou desviar bens, proventos, pensão ou qualquer outro rendimento do idoso, dando-lhes aplicação diversa de sua finalidade, a pena fixada é de reclusão de 1 a 4 anos e multa”.

Conforme a denúncia, no decorrer de 2012, na residência situada no bairro Santo Antônio, em Barra do Garças, desviou bens sendo: ventilador, cama, ferro elétrico, edredom, batedeira, aprelho de som, dentre outros, pertencentes à sua mãe, idosa com mais de 83 de idade à época dos fatos. O Ministério Público deixou de ofertar o beneficio da suspensão condicional do processo ao acusado em virtude do mesmo ter diversas ações penais instauradas contra si.

Na decisão proferida nesta segunda-feira (28), o juiz destacou que culpabilidade do acusado é elevada, vez que o mesmo pertencia ao quadro da Polícia Militar, tendo alcançado a patente de sargento, o que torna sua reprovação acentuada. Pontuou ainda que restou comprovado que o condenado é filho da vítima e prevaleceu-se das relações familiares e domésticas para promover o delito. O ex-policial confessou parcialmente os fatos.

A condenação inclui ainda 70 dias-multa, cujo valor de cada dia foi fixado pelo juiz em 1/30 do menor salário mínimo em vigor atualmente. A pena privativa de liberdade foi substituída pela prestação de serviços à comunidade e pagamento de 2 salários mínimos a ser convertido a uma entidade ainda não escolhida.

“Deixo de analisar os antecedentes criminais em respeito ao princípio da presunção de inocência. Existem dados sobre sua conduta social e personalidade, todas contra o réu, posto que o envolvimento com o mundo dos entorpecentes levou a sua expulsão da Polícia Militar e desde então o réu não tem emprego conhecido e se dedica ao consumo de drogas. Às circunstâncias do crime são normais ao tipo. Os motivos estão associados ao uso de entorpecentes. As conseqüências restam demarcadas com o prejuízo arcado pela vítima”, diz trecho do despacho do magistrado.

No processo, a defesa do ex-sargento pediu a absolvição do réu, sob a argumentação de que não restou comprovado que os objetos vendidos realmente pertenciam à idosa. Contudo, o juiz não acatou a tese da defesa. Cabe recurso na decisão de 1ª instância.

Polícia Civil prende um PM e um advogado acusados de tráfico de drogas.

Um policial militar e um advogado foram presos pela Polícia Civil, acusados de fazerem parte de uma quadrilha envolvida em diversos crimes. Com eles, outras 3 pessoas foram detidas e mais 4 são considerados foragdos. Além das prisões, registradas no município de Colniza (1.065 km a noroeste da Capital) foram apreendidas 12 armas de fogo.

Foram presos o policial militar, Jesineilson de Aguiar Brandão, 45, Lelui Antônio Lavarda Bombarda, 67, o advogado Robson Medeiros, João Caetano de Andrade, 87, conhecido como “João sem medo”, e seu filho Joel Costa de Andrade,42. Quatro pessoas ainda são procuradas e estão com mandados de prisão decretados.
Na operação foram apreendidas nove espingardas calibres 20, 28, 12, 22, 36, e três revólveres calibres 38 e 32. Também foram apreendidas diversas munições e um carregador de pistola calibre 380.

De acordo com as investigações do delegado de polícia Mario Santiago Junior, pai e filho eram investigados em Colniza desde o início de janeiro deste ano por uma série de crimes como tráfico de drogas, comércio de armas fogo, cobranças ilegais com uso de armas, além de posse e porte de armas de fogo e outros. “O grupo conhecido como ‘irmãos coragem’ era temido em Colniza e região por instaurar o medo e o terror e o nome da operação foi inspirado em virtude de agirem predominantemente em família”, informou Santiago.

O preso Joel Costa, filho de “João sem medo”, é um dos integrantes do grupo “Irmãos Coragem”, na companhia do pai. Contra Joel foi cumprido um mandado de prisão por tráfico de entorpecentes e comércio ilegal de arma de fogo. O delegado Mario informou que ele possui uma condenação por homicídio na comarca de Colniza, é investigado pela Polícia Federal por crime ambiental e apontado como suspeito em vários inquéritos da Delegacia de Colniza por crimes como homicídio e ameaça.

Durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão na casa de “João sem medo”, foram encontradas quatro armas de fogo e munições, sendo 3 espingardas e um revólver. Ele foi preso em flagrante por posse irregular de arma de fogo. Na sequência, em outro alvo de mandado de busca, foram apreendidas duas espingardas e um carregador de pistola calibre 380. O proprietário do imóvel e das armas não foi localizado.

O suspeito, Jesinelson, policial militar conhecido como PM Brandão, teve um mandado de prisão cumprido por corrupção passiva e, cumulativamente, foi preso em flagrante por posse irregular de arma de fogo e munições. O policial portava um revólver sem registro e efetuava a compra de munições ilegais.

Os presos, Robson e “João sem medo”, foram liberados após o recolhimento da fiança referente ao crime de posse ilegal de arma de fogo. Os suspeitos, Lelui e Jesineilson, também pagaram a fiança arbitrada pela posse de arma, mas permaneceram presos em virtude de mandados de prisão por favorecimento a prostituição infantil e corrupção passiva, respectivamente.

Já o policial Jesineilson encontra-se preso no Batalhão da Polícia Militar local, enquanto Lelui foi encaminhado à Cadeia Pública de Colniza juntamente com Joel, que irá responder por tráfico de entorpecente e comércio ilegal de arma de fogo.

As diligências contaram com o apoio da Gerência de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE) e do Centro Integrado de Operações Aéreas da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Mato Grosso(Ciopaer).

Prostituição Infantil – O suspeito, Lelui Antônio Lavarda Bombarda, estava com mandado de prisão em aberto e irá responder por favorecimento a prostituição infantil. Em sua residência foi localizado um revólver, motivando também a prisão por posse ilegal de arma de fogo. Em checagem, os policiais constataram que Lelui é reincidente no crime de favorecimento a prostituição infantil, pelo qual foi condenado na comarca de Aripuanã.

Durante as investigações, alguns adolescentes aliciados por Lelui denunciaram ter visto armas de variados modelos na fazenda onde este trabalha. A propriedade rural pertence ao advogado Robson Medeiros, que também foi alvo de busca durante a operação.

No local, a equipe apreendeu 3 espingardas pertencentes a Robson, que foi autuado em flagrante pelo crime de posse irregular de arma de fogo. Com outro funcionário da fazenda a polícia apreendeu uma espingarda. O caseiro foi intimado a comparecer na Delegacia de Polícia de Colniza para prestar esclarecimentos.

O delegado Mario informou que os dois presos, Lelui e Robson Medeiros, não pertence as investigações da operação “Grande Família”. “Aproveitamos apenas o aparato policial para realizar o cumprimento dos mandados”, disse Mário. (Ascom PJC)

Comando Regional de Cuiabá realiza homenagem a 55 PM’s que foram destaques no 1° semestre de 2014

Carla Duarte

Assessoria/CR-I

140722010001_2140722010001_1

O 1° Comando Regional de Cuiabá, na manhã desta terça-feira (22.07) realizou formatura para homenagear e destacar a boa atuação dos policiais militares no 1° semestre de 2014. Com esta finalidade, 55 policiais militares receberam homenagem, no Colégio Salesiano São Gonçalo.

O período foi marcado pela realização de grandes eventos, tais como a festa de São Benedito, Copa do Mundo, festas de santos, juninas, além de várias manifestações populares na Capital do Estado de Mato Grosso.

Durante esse período, muitas armas foram apreendidas, quadrilhas foram presas, bocas de fumo fechadas, diversas prisões de traficantes e pessoas foragidas da justiça detidas, dentre outros. Estas ações obtiveram um reflexo direto no controle e diminuição dos índices criminais tais como os crimes de homicídio, roubo e furto, segundo dados divulgados pela Polícia Judiciária Civil.

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Nerci Adriano Denardi, agradeceu pelo empenho na atuação do 1° Comando Regional e parabenizou a todos os policiais durante a atuação no período dos jogos da Copa do Mundo.

“Este é sem dúvida um momento importante e de reconhecimento para a segurança pública, e por isso, a realização deste evento”, destacou o comandante do CR-I, coronel Jadir Metelo da Costa.

“Esta solenidade serve também, para reconhecer o trabalho árduo desses valorosos homens e mulheres que não medem esforços para bem proteger a sociedade”, disse Costa.

Durante a homenagem dois militares se destacaram por terem realizado o atendimento de uma ocorrência de homicídio a uma vítima que se tratava de uma figura pública, Vilceu Marquetti, que foi vítima de homicídio em sua propriedade rural localizada na região de Santo Antônio e que por meio desta dupla de policiais conseguiram levantar informações de quem seria o suposto autor deste crime.

Também foi destacado pelo coronel Costa os ótimos resultados neste semestre, tal como a redução dos crimes de roubo, furto e homicídio, além do aumento das apreensões de armas e de prisões de traficantes.

ASSOCIAÇÕES COBRAM O PAGAMENTO DA ETAPA FARDAMENTO da PM/BM MT.

ASSOCIAÇÕES COBRAM DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA, O PAGAMENTO DA ETAPA FARDAMENTO DOS MILITARES PROMOVIDOS EM 21 DE ABRIL E 02 DE JULHO DESTE ANO.

Na última quinta-feira (17/07) as associações PM/BM estiveram reunidas com o Secretário de Segurança Pública do Estado de Mato Grosso, Alexandre Bustamante dos Santos para tratar do não recebimento por parte dos militares promovidos em abril e em julho deste ano, da etapa fardamento prevista no Estatuto.

De acordo com o Secretário ocorreram alguns empecilhos que dificultaram o pagamento, como a transformação do benefício de complemento salarial em indenização e também a falta de recursos por parte do Estado, dado ao aumento do número de militares promovidos, em virtude do novo plano de carreira.

Segundo Bustamante a SAD adotou um novo procedimento em relação à Etapa Fardamento retirando-a da folha de pagamento, conforme uma recomendação da SAD e como isso, o valor do benefício passou a ser ordenado e pago pelo orçamento da SESP. O Secretário disso ainda, que devido à contenção do orçamento e, por conseguinte dos gastos, atualmente a Secretária não dispõe de recursos suficientes para pagar as despesas de custeio da pasta e por esse motivo ele protocolou junto a SEPLAN e Casa Civil um pedido de suplementação.

“Hoje os recursos financeiros disponíveis serão utilizados para o custeio da máquina, com o pagamento de alimentação, combustível, manutenção e taxas) e devido a isso, não temos condições de fazer outra coisa”, enfatizou o Secretário.

Diante dessas informações, as Associações acertaram com o Secretário e definiram uma agenda com a SEPLAN e com a CASA CIVIL para buscar a realocação de recursos, com o fito de pagar as despesas com a Etapa Fardamento. Nessas reuniões as Associações irão requerer também o retorno da rubrica da Etapa Fardamento junto a folha de pagamento.

Mudança da forma de pagamento

A etapa fardamento dos militares estaduais era paga em folha de pagamento, entretanto a partir do ano de 2014, após um entendimento da equipe econômica do Estado de que a Etapa Fardamento não deveria ser incluída em folha de pagamento, más sim, como despesas de custeio por se tratar de verba indenizatória, mudou-se a sistemática do pagamento da etapa.

Vale ressaltar que as Associações não tiveram acesso a essa informação, de mudança da forma de pagamento, sendo uma surpresa desagradável às representações associativas, que só vieram a tomar conhecimento quando os associados promovidos procuraram as entidades para informar do não recebimento da etapa fardamento.

 

Data: 19/07/2014
Fonte: ASSOF, ASSOADE e ACSPMBM-MT

Aprovados na Polícia Civil conseguem cronograma do Estado.

ff87463b72f7c065282c03455335e3f9

Após manifestação na tarde de ontem (15) na Assembleia Legislativa, os aprovados no concurso público da Polícia Judiciária Civil conseguiram que o Governo do Estado apresentasse um cronograma do certame.

Unidos aos aprovados no concurso público do Poder Legislativo, os grupos queriam pressionar o Executivo, via Assembleia, para uma resposta imediata.

A exigência dos aprovados era pela entrada imediata de todos, dentro do número de vagas, na Academia de Polícia até agosto.

Segundo o grupo, são 1.035 aprovados e seriam 600 dentro do número de vagas. Com o chamamento para a Academia, a expectativa do grupo é que as nomeações em si, comecem nos primeiros meses de 2015.

Agora, conforme calendário, até sexta-feira (18) será o prazo para recursos. Após a data, até o dia 23 de julho será divulgado o resultado dos recursos e o resultado final da primeira etapa.

Ao MidiaNews, o representante do grupo afirmou que os aprovados não estão “satisfeitos” com a apresentação do calendário, mas, ao menos, obtiveram um posicionamento, que buscavam há semanas.

“Não digo que estamos satisfeitos mas pelo menos já temos as datas. Ficaremos satisfeitos quando sair a data de início na Academia chamando todos os 600 aprovados”, explicou Wladmir Mesquita.

Além do calendário da Polícia Civil, o Estado divulgou cronograma dos concursos da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. O prazo para recursos serão nos dias 22 e 23 de julho e o resultado final e homologação no dia 28 de julho.

Fonte: http://midianews.com.br/conteudo.php?sid=3&cid=203883

TABELA DO TAF PARA A PROMOÇÃO DE 05 DE SETEMBRO DE 2014.

TAF2

Já está publico no BGE nº 1.045 da PMMT, do dia 09 de julho de 2014, a tabela do Teste de Aptidão Física (TAF) que será aplicada para as promoções do dia 05 de setembro de 2014. A tabela em questão é a mesma que foi aplicada na promoção de abril deste ano.

Os Testes de Aptidão Física dos Praças serão realizados nos dias 14 e 15 de julho em primeira chamada e nos dias 22 e 23 de julho, em segunda chamada. Já para os Oficiais, o TAF será realizado nos dias 17 e 18 de julho em primeira chamada e nos dias 24 e 25 de julho, em segunda chamada.

Informamos que para a promoção do dia 25 de dezembro de 2014, a tabela do TAF será reformulada com a participação das Associações e adoção de novos parâmetros, levando-se em conta, o serviço diário dos Policiais Militares.

O Comandante Geral Adjunto da PMMT, Coronel Genilson Antonio Secchi de Ávila, informou que a nova avaliação do condicionamento físico dos Policiais Militares, não tem como objetivo criar barreiras para a promoção, más sim realizar a manutenção preventiva da saúde do Policial Militar.

Em relação às Portarias que foram publicadas anteriormente, criando as 04 (quatro) avaliações anuais, serão todas revogadas pelo Comandante Geral da PMMT, Coronel PM Nerci Adriano Denardi, sendo que as avaliações serão definidas após a nova Tabela que estará sendo elaborada em conjunto com a Associações.

Click no link a seguir e acesse a portaria que regulamenta o TAF para a promoção de 05 de setembro de 2014. http://www.pm.mt.gov.br/concursos/dgp/arquivos/comissao_taf.pdf

Data: 11/07/2014
Fonte: ASSOF, ASSOADE e ACSPMBM-MT