POLICIAL DESMOTIVADO, SOCIEDADE DESAMPARADA!

554970_554929771209554_2143242236_n
 
 

Se o policial está desprotegido e acuado, sem apoio ao exercício da profissão, os marginais dominam a sociedade. Policial fragilizado, sociedade desprotegida.” Sociedade desprotegida nós corremos sérios riscos. Você sem segurança. Por acaso não estamos vivendo isso, por todos os cantos do Brasil, inclusive em Primavera do Leste?
Um e-mail que circulava ontem e certamente recebido por muita gente que o repassava chama a atenção e cobra uma atitude da turma dos direitos humanos, que parece olhar somente para os que feriram, justamente, Direitos Humanos. Uma inversão, pois o  pessoal dos Direitos Humanos aparece sempre em defesa de quem está cumprindo pena. Bandido preso é “protegido” pelos Direitos Humanos. Cidadão livre e trabalhador, é perseguido pelos caras protegidos pelos defensores dos Direitos Humanos.
Em 1992 a tropa de choque da Polícia Militar foi chamada para conter uma rebelião. A rebelião do Carandiru. Resultado, 111 mortos. Uma tragédia. O então presidente da Comissão dos Direitos Humanos, Eduardo Suplicy, imediatamente pediu punição para o coronel da Polícia Militar, col. Ubiratan. Os membros dos Direitos Humanos, fizeram visitas ao presídio, visita às famílias dos mortos e mandaram até rezar missa. Trabalho exemplar.
Anos se passaram, estamos em 2003. Outra tragédia. Agora, o inverso: bandidos matam vários policiais militares. Marginais do PCC metralharam uma base da Polícia Militar. O objetivo deles era mostrar intimidação para que os presos tivessem vários pedidos atendidos, dentro do presídio. Eles queriam:  protetor solar, no banho de sol, anti-séptico bucal, encontros íntimos… Autoridades demoraram e, então, veio a retaliação na rua, especialmente ao Posto da Polícia Militar.
Querem saber, o que o pessoal dos Direitos Humanos fez com a família dos policiais mortos?
1 – Não solicita urgente punição aos comandantes do PCC;
2 – Não faz visitas aos postos metralhados;
3 – Não faz visitas às famílias dos policiais feridos;
4 –  Não faz visitas às famílias dos policias mortos;
5 – Não manda rezar missa.
Em português simples: o pessoal dos Direitos Humanos escafedeu-se, sumiu, desapareceu. Não fez nada. Por isso a indignação e o e-mail sobre fatos ocorridos 11 e 22 anos atrás.
Cidadão de bem grave isso: quem nos protege é o policial; não os Direitos Humanos.
Quando o policial – entende-se aqui por policial, todos os que vestem farda – está desmotivado, acuado, desprotegido, é a sociedade quem está acuada e desprotegida.
E o que dizer para a autoridade que está na rua, exposta a tudo quanto é tipo de perigo, que faz a prisão de todo tipo de gente que não presta e, no dia seguinte à prisão se defronta com o elemento na fila do supermercado, do açougue, do banco…?
Onde um investigador policial vai buscar motivação profissional se após ser alvejado por bandido tentando lhe matar, se defende dos tiros, rende seu algoz e efetua a prisão. Aí, em poucos dias tá o bandido solto, por entender a autoridade judiciária que o mesmo não oferece risco à sociedade? Como esperar motivação de um profissional que passa por situação como a descrita? Isso aconteceu aqui pertinho de você, em Primavera do Leste. Também os Direitos Humanos local não se manifestou. Ficou caladinho.
Sabe de uma coisa: é preciso dar mais dignidade a Polícia, seja Civil ou Militar. No final das contas, são eles quem nos defende…

53672_446308742100139_1808894971_o

Fonte: http://www.jornalodiario.com.br/primavera-do-leste-/editorial/policia-civil-e-militar-sem-moral/37856

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s